PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

EUA permite certas transações ao governo Maduro no combate à covid

17/06/2021 21h11

Washington, 18 Jun 2021 (AFP) - Os Estados Unidos permitiram nesta quinta-feira (17) certas transações no âmbito das sanções econômicas que vigoram contra o governo de Nicolás Maduro na Venezuela a fim de facilitar a luta contra a covid-19 no país sul-americano.

Sem suspender as medidas punitivas impostas a Caracas, o governo de Joe Biden emitiu licenças que autorizam a entrega de máscaras, respiradores e tanques de oxigênio, assim como vacinas, testes de detecção e outro tipo de material hospitalar para atender à crise sanitária.

O Departamento do Tesouro informou que a decisão responde a um memorando emitido por Biden ao assumir o cargo em janeiro, no qual dispôs a revisão de todas as sanções que poderiam estar "obstruindo indevidamente" o combate à pandemia.

"Estas novas autorizações vão apoiar ainda mais o trabalho crucial dos governos, das organizações internacionais, das organizações não governamentais e dos atores do setor privado para dar assistência relacionada com a covid-19", destacou o Tesouro em um comunicado.

Washington, que não reconhece a reeleição de Maduro, por considerá-la fraudulenta, incrementou as sanções econômicas e a pressão diplomática contra Caracas em janeiro de 2019, quando o presidente socialista assumiu um segundo mandato.

As medidas tomadas pela administração de Donald Trump incluem um embargo de fato ao petróleo venezuelano, crucial para a economia da ex-potência petroleira.

Maduro denuncia as sanções americanas como um "crime contra a humanidade".

Na semana passada, a vice-presidente venezuelana, Delcy Rodríguez, disse que dez milhões de dólares destinados ao sistema global Covax para acessar vacinas anticovid tinham sido "bloqueados" por um banco suíço, atrasando o processo de compra.

A Organização Pan-americana da Saúde (Opas), que facilita a aquisição de imunizantes contra a covid-19 no continente americano, destacou na quarta-feira que aguarda-se o cancelamento da dívida para dispor a entrega.

A Venezuela, com 30 milhões de habitantes, vive uma forte onda da pandemia que sobrecarrega os centros de saúde.

Além da emergência sanitária, o país está mergulhado em uma crise socioeconômica, aprofundada desde a chegada ao poder de Maduro, em 2013, uma situação que, segundo a ONU, provocou o êxodo de mais de 5,6 milhões de pessoas.

O Tesouro dos Estados Unidos especificou que as autorizações emitidas nesta quinta-feira não permitem a exportação de nenhum bem, tecnologia ou serviço a militares, agentes das forças de ordem ou pessoal de Inteligência da Venezuela.

Não têm luz verde as transações que envolvam a estatal petroleira PDVSA, nem tampouco o Banco de Desenvolvimento Econômico e Social da Venezuela (Bandes), o Bandes Uruguay ou entidades que estes possuam, disse.

As sanções do Tesouro proíbem o acesso ao sistema financeiro americano e bloqueiam todos os eventuais ativos que os implicados tenham sob a jurisdição dos Estados Unidos.

ad/gma/mvv