PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

China repudia 'métodos de gangster' dos EUA após novas sanções por trabalhos forçados

25/06/2021 10h56

Pequim, 25 Jun 2021 (AFP) - A China criticou os "métodos de gangster" dos Estados Unidos depois da aprovação de novas sanções contra empresas chinesas, acusadas por Washington de recorrerem à mão de obra forçada na região de maioria muçulmana de Xinjiang (noroeste).

"Esses são métodos de gangster que anulam a propriedade do outro", lamentou nesta sexta-feira em coletiva de imprensa Zhao Lijian, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores.

"As vítimas dessas ações americanas, no final, serão os habitantes de Xinjiang e seu direito de sobreviver e se desenvolver. Isso cria uma pobreza forçada, desemprego forçado", denunciou.

A Casa Branca anunciou na quinta-feira que proibiu a importação de materiais para painéis solares fabricados pela sociedade Hoshine Silicon Industry e impôs sanções comerciais a outras quatro empresas.

Em um comunicado, alegou que o uso de mão de obra forçada era parte do esforço sistemático de Pequim para reprimir milhões de uigures - a etnia mais numerosa de Xinjiang e majoritariamente muçulmana - , uma prática que inclui, segundo Washington, torturas, violência sexual e detenções em massa em campos de trabalho.

A China alega que são "centros de treinamento profissional" para ajudar a população a encontrar emprego e se afastar do extremismo islâmico.

As autoridades americanas já haviam bloqueado a importação de produtos capilares, algodão, peças informáticas ou material têxtil fabricado nessa região.

tjx-ehl/bar/esp/dbh/mis/aa