PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Castillo assumirá a presidência do Peru e fará juramento simbólico em Ayacucho

25/07/2021 19h36

Lima, 25 Jul 2021 (AFP) - Pedro Castillo assumirá a Presidência do Peru na quarta-feira e no dia seguinte fará um juramento simbólico na região de Ayacucho, no sul, palco da batalha que selou a independência do país andino.

Professor rural de Cajamarca (norte), o esquerdista Castillo será empossado perante o Congresso para um mandato de cinco anos.

As cerimônias contarão com a presença de diversos dirigentes latino-americanos - entre eles o boliviano Luis Arce, o argentino Alberto Fernández e o equatoriano Guillermo Lasso - além do Rei da Espanha, Felipe VI.

A posse acontece no dia da comemoração do bicentenário da independência do Peru, proclamada em 28 de julho de 1821.

Na quinta-feira, Castillo viajará para o sul para participar de um juramento simbólico na Pampa de la Quinua, cenário da Batalha de Ayacucho em 9 de dezembro de 1824, o último grande confronto das guerras de independência na América do Sul.

Considerando que "este é o bicentenário da nossa independência, queríamos que esta data fosse valorizada no altar da liberdade da América, que é o pampa Ayacucho, onde toda a América se une e conquista sua independência", disse ele à rádio RPP Yuri Gutiérrez, Prefeito Huamanga, Ayacucho.

Considerando que "este é o bicentenário da nossa independência, queríamos que a data fosse valorizada no altar da liberdade da América, que é o pampa Ayacucho, onde toda a América se une e conquista sua independência", disse eYuri Gutiérrez, prefeito de Huamanga, Ayacucho, à rádio RPP.

A cerimônia acontecerá ao meio-dia e Castillo entrará na pampa de la Quinua em um cavalo morochuco, raça peruana dos Andes.

O Ministério da Defesa informou que o desfile militar de Homenagem à Pátria pelo Bicentenário será realizado nesta sexta-feira, sem público devido à pandemia, na Praça Cáceres do Quartel-General do Exército.

Castillo foi proclamado presidente eleito na última segunda-feira pelo júri eleitoral, que levou seis semanas para analisar as contestações e recursos antes de declará-lo o vencedor da votação de 6 de junho contra a direitista Keiko Fujimori.

cm/yow/ap

Twitter

IPSOS