PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Países da África Ocidental pedem eleições em seis meses na Guiné

Soldados da Guiné patrulham ruas da capital, Conacri, nesta segunda (6), um dia após golpe de Estado - Souleymane Camara/Reuters
Soldados da Guiné patrulham ruas da capital, Conacri, nesta segunda (6), um dia após golpe de Estado Imagem: Souleymane Camara/Reuters

16/09/2021 21h26

Líderes de países da África Ocidental pediram à junta militar da Guiné que convoque eleições nos próximos seis meses para devolver o poder aos civis, e anunciaram sanções contra os líderes do golpe realizado no começo do mês.

Os integrantes da Cedeao (Comunidade Econômica de Estados da África Ocidental) se reuniram nesta quinta-feira para discutir a situação daquele país, suspenso do bloco após a derrubada do presidente Alpha Condé, agora detido.

"Os chefes de Estado insistiram em que a transição deve ser breve", disse o presidente da comissão da Cedeao, Jean Claude Kassi Brou, após a reunião de cúpula, realizada em Acra, Gana. "A transição não deve durar mais de seis meses. Em seis meses, eleições devem ser realizadas", enfatizou.

Em nota, o bloco anunciou a imposição de sanções de viagem a integrantes da junta militar e seus familiares, bem como o congelamento de seus ativos financeiros. A Cedeao pediu que a União Africana, as Nações Unidas e a União Europeia apoiem essas decisões.

Na Guiné, as novas autoridades encerravam na sexta-feira quatro dias de encontros com líderes políticos, religiosos, ativistas, diplomatas, empresários e sindicalistas visando a estudar a transição para um governo civil.

Tanto a Cedeao quanto a União Africana suspenderam a Guiné de seus órgãos após o golpe.

Internacional