PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Primeiro-ministro haitiano rejeita acusações 'infundadas' de envolvimento em morte de Moise

16/09/2021 23h40

Porto Príncipe, 17 Set 2021 (AFP) - O primeiro-ministro haitiano, Ariel Henry, se defendeu nesta quinta-feira (16) à noite contra as acusações de que teria participado do assassinato do presidente Jovenel Moise, denunciando "o alvoroço" motivado por "interesses políticos".

O chefe do governo criticou em nota publicada nas redes sociais "o alvoroço orquestrado a nível nacional e internacional em torno das conversas telefônicas ocorridas na noite do vil assassinato do presidente".

Moise foi morto a tiros em 7 de julho por um grupo de mercenários armados em sua casa em Porto Príncipe, e ainda restam dúvidas sobre quem está por trás do ataque.

Na terça-feira, o comissário do governo de Porto Príncipe, equivalente ao promotor, pediu ao juiz encarregado de investigar o caso que processasse Henry, alegando que o primeiro-ministro havia feito ligações para um dos principais suspeitos, Joseph Félix Badio, algumas horas após o ataque.

Ex-integrante da unidade anticorrupção, braço do Ministério da Justiça, Badio teria sido geolocalizado na área onde fica a residência particular de Jovenel Moise durante as ligações feitas para Ariel Henry às 04H03 e 04H20 da manhã.

Poucas horas depois dessa acusação, Henry anunciou a destituição do promotor por "grave improbidade administrativa".

Sinal das tensões existentes no poder Executivo, o secretário do conselho de ministros também foi substituído.

"É difícil hoje especificar os nomes de todos aqueles que me ligaram ou a natureza da conversa, especialmente quando não pude atender todas as ligações", se defendeu o primeiro-ministro na noite desta quinta-feira.

Nomeado primeiro-ministro por Moise menos de 48 horas antes da morte do presidente, Henry acrescentou que "as conversas com pessoas contra quem são feitas acusações não podem, em nenhuma circunstância, ser usadas para incriminar ninguém".

"Os interesses políticos não permitem que ninguém ou qualquer grupo de indivíduos faça insinuações sérias e infundadas, muito menos tentar entregar alguém à vingança popular, independentemente de eles realmente terem alguma responsabilidade por algo", continuou Henry em sua mensagem.

Quarenta e quatro pessoas, incluindo 18 colombianos e dois americanos de origem haitiana, foram presas em conexão com a investigação do assassinato de Moise, que foi cometido sem que nenhum agente de sua guarda particular fosse ferido.

amb/cjc/dg/ll/am