PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
15 dias

Irã pede bilhões de dólares aos EUA para retomar negociações nucleares

Acordo suspenso reduzia sanções ocidentais contra Irã em troca da promessa do governo iraniano de reduzir programa nuclear e não desenvolver bomba atômica - AFP
Acordo suspenso reduzia sanções ocidentais contra Irã em troca da promessa do governo iraniano de reduzir programa nuclear e não desenvolver bomba atômica Imagem: AFP

O Irã pede bilhões de dólares aos Estados Unidos para medir sua "verdadeira intenção" em relação às negociações nucleares, que estão paralisadas desde junho, afirmou o ministro iraniano das Relações Exteriores iraniano.

Se os americanos "têm uma intenção verdadeira (de salvar o acordo), devem liberar uma parte de nossas propriedades, por exemplo, dezenas de bilhões de dólares congelados em bancos estrangeiros e devolvê-los ao Irã", disse no sábado (2) Hosein Amir Abdollahian, em entrevista a uma emissora estatal.

As negociações acontecem depois que o secretário de Estado americano, Antony Blinken, disse na quinta-feira que o tempo pressiona para que Teerã volte ao acordo nuclear.

Desde junho, as negociações entre o Irã e as potências ocidentais para retomar o pacto estão paralisadas. O acordo foi muito enfraquecido com a saída unilateral dos Estados Unidos em 2018.

O acordo, assinado em Viena em 2015, ofereceu a Teerã uma suspensão parcial das sanções ocidentais e da ONU, em troca da promessa da República Islâmica de reduzir drasticamente seu programa nuclear e não desenvolver uma bomba atômica.

Mas após a saída dos Estados Unidos, o Irã começou a descumprir o acordo.

O país persa também quer levar a Coreia do Sul à justiça pela recusa de Seul em pagar uma dívida, avaliada em 8 bilhões de dólares, pela compra de petróleo.

"A pressão dos Estados Unidos sobre a Coreia do Sul) é um fato, mas não podemos continuar a deixar de lado e fechar os olhos para esta situação", disse Amir Abdollahian.

Blinken disse quinta-feira que Washington se comportou com "muito boa fé por muitos meses" em relação às negociações nucleares, das quais participam de maneira indireta.

"Os americanos não estão dispostos a desbloquear (as propriedades congeladas do Irã) para que possamos garantir os interesses do povo iraniano", lamentou Amir Abdollahian.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do que informava o texto, o Irã é um país persa, e não árabe. A informação foi corrigida.

Internacional