PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Novo primeiro-ministro japonês envia oferenda a santuário polêmico

17/10/2021 12h11

Tóquio, 17 Out 2021 (AFP) - O novo primeiro-ministro japonês Fumio Kishida enviou neste domingo (17) uma oferenda ritual ao polêmico santuário de Yasukuni, que homenageia os soldados mortos em guerras e que é visto pelos países vizinhos como um símbolo do passado militarista de Tóquio.

Kishida enviou a árvore "masakaki" como oferenda para celebrar o festival bianual do santuário, celebrado na primavera e outono, disse à AFP uma porta-voz do templo.

O santuário no centro de Tóquio presta homenagem aos 2,5 milhões de mortos nas guerras, em sua maioria japoneses, desde o final do século XIX.

Mas também consagra altas figuras militares e políticas condenadas por crimes de guerra em um tribunal internacional.

Dois ministros do governo de Kishida também enviaram as árvores sagradas como oferenda ao templo.

Nenhum primeiro-ministro japonês o visitava desde 2013, quando Shinzo Abe compareceu e provocou a indignação da China e da Coreia do Sul, enquanto foi criticado pelo seu aliado Estados Unidos.

O antecessor de Kishida, Yohihide Suga, visitou o santuário neste domingo, disse a porta-voz. A emissora pública NHK mostrou imagens de sua visita.

As visitas de autoridades ao santuário irritam os países que sofreram nas mãos dos militares japoneses durante a Segunda Guerra Mundial, especialmente Coreia do Sul e China.

Neste domingo, o ministério das Relações Exteriores da Coreia do Sul manifestou uma "profunda decepção" com a decisão de enviar a oferenda.

Seul "lamenta que os líderes japoneses tenham enviado novamente a oferenda ou reiterado suas visitas ao santuário Yasukuni", disse em um comunicado, de acordo com a agência de notícias sul-coreana Yonhap.

A Coreia do Sul pede às autoridades japonesas que "enfrentem a história e demonstrem com fatos uma humilde introspecção e suas reflexões sobre a história".

kh/mtp/mas/gm/age/aa