PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Enviado dos EUA pede à Coreia do Norte fim dos testes de mísseis

Governo dos Estados Unidos fez um apelo para que a Coreia do Norte interrompa os testes de mísseis "contraprodutivos" - Jonathan Ernst/Reuters
Governo dos Estados Unidos fez um apelo para que a Coreia do Norte interrompa os testes de mísseis "contraprodutivos" Imagem: Jonathan Ernst/Reuters

24/10/2021 08h07Atualizada em 24/10/2021 09h07

O governo dos Estados Unidos fez um apelo neste domingo (24) para que a Coreia do Norte interrompa os testes de mísseis "contraprodutivos" e expressou confiança de que o regime de Pyongyang responderá de maneira positiva aos pedidos de diálogo.

O pedido foi feito depois que a Coreia do Norte lançou na terça-feira um míssil balístico a partir de um submarino, o que motivou a convocação de uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU.

O enviado especial dos Estados Unidos para a Coreia do Norte, Sung Kim, se reuniu com seu colega sul-coreano, Noh Kyu-duk, após um encontro com o representante do governo japonês para o tema em Washington.

Ele classificou o lançamento de terça-feira de "provocação" e pediu a Pyongyang para deter os "preocupantes e contraproducentes" testes de mísseis.

"Esperamos que a DPRK responda de maneira positiva ao nosso apelo", disse Kim à imprensa, ao usar a sigla em inglês do nome oficial da Coreia do Norte.

O lançamento de terça-feira foi o mais recente de uma série de testes de armas do país comunista, incluindo um míssil de cruzeiro de longo alcance, uma arma disparada de um trem e um suposto míssil hipersônico.

Há algumas semanas, o dirigente norte-coreano Kim Jong Un culpou o governo dos Estados Unidos pelas sanções contra seu país e afirmou que seu programa bélico não tem intenções hostis.

Kim se reuniu três vezes com o ex-presidente americano Donald Trump, mas os encontros não resultaram em um acordo para acabar com o programa nuclear do Norte.

O atual presidente americano, Joe Biden, prometeu buscar uma saída diplomática para o conflito com a Coreia do Norte.

Internacional