PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Justiça da Venezuela suspende contagem de votos em reduto chavista

29/11/2021 21h01

Caracas, 30 Nov 2021 (AFP) - O Tribunal Supremo de Justiça da Venezuela determinou nesta segunda-feira (29) suspender a contagem de votos em Barinas, único estado sem resultados após as eleições regionais de 21 de novembro, nas quais a oposição declara "vitória" frente a um irmão do ex-presidente Hugo Chávez.

A máxima corte determinou ao Conselho Nacional Eleitoral (CNE) "a suspensão imediata dos procedimentos e/ou processos vinculados à totalização (apuração), adjudicação e proclamação do CNE em relação aos candidatos ao cargo de Governador ou Governadora do estado de Barinas (...) até quando se decida o assunto a fundo", indica a sentença.

A decisão, publicada no site do tribunal na internet, acusado pela oposição de favorecer o governo com suas decisões, diz, ainda, que o candidato opositor Freddy Superlano, sobre quem pesam "procedimentos e averiguações administrativas e penais", "se encontra inabilitado ao exercício de qualquer cargo público".

O CNE confirmou no Twitter a paralisação da apuração das atas eleitorais pendentes em Barinas, ao "acatar a medida cautelar".

A oposição reivindica a vitória nesta região de 970 mil habitantes, onde familiares de Chávez governam desde 1998.

Superlano disputou o cargo com Argenis Chávez, candidato do governista Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) e atual governador. Ele é o irmão mais velho do falecido presidente Hugo Chávez (1999-2013).

O opositor qualificou a decisão como "mais uma demonstração de pouca vontade" para "reconstruir uma rota eleitoral como saída para a crise política, social e econômica" da nação caribenha.

Embora o TSJ não tenha feito referência a isto, sua decisão "pode trazer como consequência que se tenha que exigir a repetição das eleições em Barinas", disse o parlamentar Adolfo Superlano em declarações transmitidas pela TV estatal. Ele apresentou um recurso judicial que resultou nesta sentença.

O legislador, que não tem vínculo familiar com o candidato de oposição, embora tenham o mesmo sobrenome, alega que casos judiciais contra o aspirante por acusações de corrupção levariam a uma "situação insustentável".

Barinas, berço de Hugo Chávez e desde 1998 dominado por seus familiares, é o único estado que ainda precisa definir seu governador após as eleições regionais de 21 de novembro.

O PSUV elegeu 19 dos 23 governadores, enquanto os principais partidos da oposição voltaram à disputa após anos de boicote e denúncias de "fraude". A volta da oposição foi marcada por divisões e em poucos casos conseguiu candidaturas unitárias.

A oposição tinha se negado a participar das eleições de 2018, nas quais o presidente Nicolás Maduro foi reeleito, e nas de 2020, nas quais o chavismo recuperou o controle do Parlamento.

Familiares de Chávez se elegeram ao governo desta região de 970.000 habitantes desde a chegada dele ao poder. Ali fica Sabaneta, sua cidade natal, com 28.000 habitantes.

A corrente começou com seu pai, Hugo de los Reyes Chávez, governador de 1998 a 2008; seguiu com seu irmão, Adán, atual embaixador da Venezuela em Cuba, entre 2006 e 2016; e continuou com Argenis, que está no cargo desde 2017.

mbj/erc/pgf/yo/mvv