PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Milhares de hindus desafiam covid-19 em festival na Índia

Pessoa comparecem a festival anual hindu, em Allahabad, Índia - Sanjay Kanojia/AFP
Pessoa comparecem a festival anual hindu, em Allahabad, Índia Imagem: Sanjay Kanojia/AFP

14/01/2022 08h33

Drones estão sendo usados nesta sexta-feira (14) para lançar água sagrada do rio Ganges em milhares de peregrinos, com o objetivo de tentar conter uma multidão reunida para o festival hindu Gangasagar Mela, no leste da Índia.

A aglomeração por causa do evento pode se tornar um perigoso propagador da covid-19.

As autoridades já admitiram que não vão ser capazes de conter os peregrinos, a maioria sem máscara, que vão ao rio para banhos rituais expiatórios.

"A maioria dos peregrinos está disposta a desafiar as normas anticovid", disse um policial ouvido pela AFP.

"Eles acreditam que Deus os salvará e que o banho no afluente (do Ganges) os purificará de todos os pecados, até do vírus, se estiverem contaminados", acrescentou.

Embora a variante ômicron esteja se espalhando rapidamente na Índia, um tribunal de Calcutá autorizou, na semana passada, a celebração do Gangasagar Mela na ilha de Sagar. Ela fica na foz do rio Ganges, no estado de Bengala Ocidental, no leste do país.

A estimativa é que até três milhões de peregrinos hindus devem chegar à ilha nesta sexta-feira.

"Desde as primeiras horas da manhã, já havia um mar de pessoas", relatou Bankim Hazra, uma autoridade local, por telefone à AFP.

"A água sagrada do Ganges está sendo pulverizada por drones sobre os peregrinos (...) para conter a multidão", explicou.

"Mas os sadhus (ascetas com o corpo coberto de cinzas e a cabeça de dreadlocks) e um grande número de pessoas preferem ficar para tomar banho", acrescentou.

A Índia registrou mais de 260.000 novas infecções e 315 mortes por coronavírus nas últimas 24 horas.

No auge da pandemia neste território de 1,3 bilhão de habitantes, em maio passado, a Índia registrava mais de 400.000 novos contágios e cerca de 4.000 óbitos por dia, em meio a cenas traumatizantes em hospitais, lotados de pacientes.

Hoje, a Índia parece mais bem preparada para resistir à ômicron do que na primavera passada, quando a variante delta causou mais de 200.000 mortes em poucas semanas.

Essa terrível onda epidêmica surgiu após o festival Kumbh Mela, uma das maiores congregações religiosas do mundo, com a participação de cerca de 25 milhões de hindus.

Assim como o Kumbh Mela, Gangasagar Mela atrai fiéis de todo norte da Índia, que viajam a bordo de trens, ônibus e barcos lotados para chegar à ilha. Estas condições aumentam a probabilidade de contágio da ômicron, uma variante do coronavírus altamente contagiosa.

Internacional