PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
3 meses

Mais de 90 mortos em três dias de combates entre as forças curdas e o EI na Síria

22/01/2022 12h45

Beirute, 22 Jan 2022 (AFP) - Os combates continuavam, neste sábado (22), pelo terceiro dia consecutivo, entre o grupo Estado Islâmico (EI) e as forças curdas no nordeste da Síria, após um grande ataque jihadista que deixou mais de 90 mortos.

"Pelo menos 28 membros das forças de segurança curdas, cinco civis e 56 combatentes do Estado Islâmico foram mortos" desde o início do ataque à prisão de Ghwayran, uma das maiores abrigando extremistas na Síria, informou Rami Abdel Rahman, diretor do Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

O EI lançou um ataque durante a noite de quinta para sexta-feira contra esta prisão, localizada na cidade de Hassake, que abriga cerca de 3.500 supostos membros do EI, incluindo líderes do grupo, disse o OSDH.

De acordo com a ONG, que tem uma vasta rede de fontes na Síria, os jihadistas "apreenderam armas que encontraram" no arsenal do centro de detenção.

O OSDH também declarou que a prisão foi cercada por forças curdas com o apoio da força aérea da coalizão internacional e que centenas de prisioneiros do EI foram presos. Dezenas de detidos conseguiram escapar após este ataque, o maior desde a derrota do EI em 2019 na Síria, segundo a ONG.

As Forças Democráticas Sírias (SDF), dominadas por combatentes curdos, disseram em comunicado neste sábado que "continuam as operações para manter a segurança na cidade de Hassake e no perímetro da prisão de Ghwayran", com a ajuda da coalizão internacional e das forças de segurança curdas.

De acordo com as FDS, os confrontos se concentram agora em bairros ao norte de Ghwayran, onde as incursões "mataram vários combatentes do EI que atacaram a prisão".

Na sexta-feira, em comunicado divulgado pela "sua agência de notícias" Amaq, o grupo jihadista reivindicou a autoria do ataque à prisão, indicando que o objetivo desta operação era "libertar os presos".

- "Bonne cible" -"O Estado Islâmico quer ir além de seu status de rede terrorista e criminosa e, para isso, precisa de mais combatentes", disse à AFP Nicholas Heras, do Instituto Newlines, em Washington.

"As fugas de prisões representam a melhor oportunidade para o EI recuperar sua força, e a prisão de Ghwayran é um bom alvo, pois está superlotada", acrescentou.

Muitas prisões nas áreas sírias controladas pelos curdos, onde grande parte do antigo "exército" do EI está detido, eram originalmente escolas e, portanto, inadequadas para manter detidos por longos períodos de tempo.

De acordo com as autoridades curdas, que controlam grandes áreas do norte da Síria, cerca de 12.000 jihadistas de mais de 50 nacionalidades estão detidos em prisões sob seu controle.

Abdelkarim Omar, alto funcionário de política externa da administração semi-autônoma curda, disse que o ataque do EI à prisão de Ghwayran se deveu "ao fracasso da comunidade internacional em assumir suas responsabilidades".

Na linha de frente da luta contra o EI, as FDS, apoiadas pela coalizão internacional, derrotaram o grupo jihadista na Síria em 2019, expulsando-o de seu último reduto de Baghuz, na província de Deir Ezzor (leste).

Apesar da derrota, o EI está realizando ataques mortais, principalmente no vasto deserto sírio, que se estende da província central de Homs até a de Deir Ezzor, na fronteira com o Iraque.

Desencadeada em março de 2011 pela repressão aos protestos pró-democracia, a guerra na Síria tornou-se mais complexa ao longo dos anos com o envolvimento de potências regionais e internacionais e a ascensão de jihadistas.

O conflito matou cerca de 500.000 pessoas, devastou a infraestrutura do país e deslocou milhões de pessoas desde o início.

elw/rm/mr