PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
4 meses

Mais de 30 pessoas vão a julgamento no Panamá por escândalo dos Panama Papers

A investigação revelou como personalidades de todo o mundo escondiam dinheiro por meio de um escritório de advocacia panamenho - Eva HAMBACH / AFP
A investigação revelou como personalidades de todo o mundo escondiam dinheiro por meio de um escritório de advocacia panamenho Imagem: Eva HAMBACH / AFP

25/01/2022 21h06

Mais de 30 pessoas vão a julgamento por suposto envolvimento no escândalo dos Panama Papers, uma investigação que revelou, em 2016, como personalidades de todo o mundo escondiam dinheiro por meio de um escritório de advocacia panamenho, informou nesta terça-feira (25) o órgão judicial.

O juizado "resolveu abrir um processo criminal contra 32 cidadãos pelo suposto cometimento de crime contra a ordem econômica na modalidade de lavagem de dinheiro no caso conhecido como 'Panama Papers'", segundo um comunicado.

A promotoria também anunciou em outra nota que a juíza Baloisa Marquínez "decidiu deferir o pedido" do Ministério Público e levará 32 pessoas a julgamento "por lavagem de dinheiro".

O Órgão Judicial e a Promotoria também destacaram que o julgamento será realizado entre 15 e 18 de novembro de 2022.

Embora as notas não citem nomes, uma fonte do caso confirmou à AFP que entre os chamados em juízo estão Jürgen Mossack e Ramón Fonseca Mora, fundadores do escritório de advogados Mossack Fonseca.

Este escritório foi o epicentro do escândalo, em 2016, dos chamados Panama Papers, uma publicação do Consórcio Internacional de Jornalistas (ICIJ, na sigla em inglês), que revelou como algumas personalidades de todo o mundo supostamente evadiram impostos e lavaram dinheiro através deste escritório panamenho.

A investigação, baseada no vazamento de 11,5 milhões de documentos procedentes do escritório Mossack Fonseca, mostrou que chefes de Estado e de governo, líderes da política mundial, personalidades das finanças, dos esportes e das artes ocultaram propriedades, empresas, ativos e lucros.

Os ex-presidentes da Islândia, Sigmundur David Gunnlaugsson; do Paquistão, Nawaz Sharif; da Grã-Bretanha, David Cameron, e da Argentina, Mauricio Macri, além do astro do futebol Lionel Messi e o cineasta espanhol Pedro Almodóvar foram apenas alguns dos mencionados na ocasião.

Após o escândalo, o escritório Mossack Fonseca foi obrigado a encerrar as operações.

A promotoria tinha solicitado, em audiência prévia, realizada em novembro de 2021, o chamado a juízo destas 32 pessoas pelo crime contra ordem econômica na modalidade de lavagem de dinheiro.

Internacional