PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Conteúdo publicado há
1 mês

OMS quer esclarecer casos de varíola do macaco detectados no Reino Unido

Varíola dos macacos - SCIENCE PHOTO LIBRARY
Varíola dos macacos Imagem: SCIENCE PHOTO LIBRARY

Da AFP

17/05/2022 15h22Atualizada em 17/05/2022 16h08

A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou nesta terça-feira (17) que quer esclarecer, com a ajuda do Reino Unido, os casos de varíola do macaco detectados desde o início de maio, especialmente na comunidade homossexual.

Desde 6 de maio, foi detectado sete casos da varíola do macaco no país, entre eles quatro pessoas que se identificaram como "homossexuais, bissexuais ou homens que têm relações sexuais com outros homens", segundo a agência britânica de segurança sanitária (UKHSA).

Com exceção do primeiro caso -o infectado tinha viajado recentemente para a Nigéria, na África Ocidental, onde esta doença viral é endêmica - os doentes foram infectados no Reino Unido, criando receios de transmissão comunitária.

"Estamos vendo transmissões entre homens que têm relações sexuais com homens", ao qual é "uma nova informação que devemos estudar adequadamente para compreender melhor a dinâmica" do contágio, disse Ibrahima Socé Fall, diretor-geral adjunto da OMS para intervenções de emergência.

Outra responsável pela organização, Maria Van Kerkhove, especificou que trabalha "muito estreitamente" com o Centro Europeu de Controle de Doenças e com a agência de segurança sanitária britânica para "avaliar (...) a fonte da sua infecção" e realizar um "exercício de acompanhamento".

Por sua vez, o UKHSA está tentando encontrar uma ligação entre os quatro casos identificados mais recentemente, que parecem ter sido infectados em Londres.

Esta doença, causada por um vírus da varíola transmitido de animais para humanos, é transmitida pelo contato com uma pessoa infectada ou seus fluidos corporais, incluindo saliva. No entanto, de acordo com a UKHSA, o vírus não se espalha "facilmente" entre as pessoas, portanto o risco para a população é "baixo".

Geralmente aparece na África, não há tratamento e cura por conta própria.

Seus sintomas incluem febre, dor de cabeça, dores musculares, dor nas costas, linfonodos inchados, calafrios e fadiga.

Erupções cutâneas, geralmente no rosto, podem aparecer e se espalhar para outras partes do corpo, incluindo os genitais, antes de passar por vários estágios, formar crostas e cair.

A UKHSA exortou os homens que fazem sexo com homens a estarem "à procura de erupções cutâneas ou lesões incomuns".

Saúde