PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Implacável avanço das tropas russas no leste da Ucrânia

24/05/2022 19h29

Kiev, Ucrânia, 24 Mai 2022 (AFP) - A Rússia intensificou, nesta terça-feira (24), sua ofensiva militar contra os últimos focos de resistência no leste da Ucrânia, e anunciou sua determinação em alcançar, sem prazo, todos os seus "objetivos" na guerra, que entrou em seu quarto mês.

As tropas russas estão atualmente concentrando seu ataque em Lugansk, na bacia de mineração de Donbass, onde a situação "piora a cada hora", disse o governador regional, Sergei Gaidai.

Como parte da manobra de cerco, eles tentam sitiar as cidades de Severodonetsk e Lysychansk, localizadas a cerca de 100 km de Lugansk.

Severodonetsk é bombardeado "24 horas por dia" pelos russos, que "usam a tática da terra arrasada", explicou Gaidai anteriormente.

O líder separatista de Donetsk (outra região da bacia de Donbass), afirmou que tropas russas e "milícias populares" pró-russas haviam entrado em Liman e que tentavam obter o controle total da cidade, a 60 km de Severodonetsk.

A bacia do Donbass é desde 2014 parcialmente controlada por separatistas pró-Rússia.

O ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, declarou que Moscou "continuará com a operação militar especial até que se cumpram todos os seus objetivos". "Pouco importa a grande ajuda ocidental ao regime de Kiev ou a pressão sem precedentes das sanções" aplicadas contra o seu país, acrescentou.

O secretário do Conselho de Segurança da Rússia, Nikolai Patrushev, indicou que as operações militares durarão o tempo necessário. "Não estamos com pressa para cumprir um prazo", disse.

A Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro, com o objetivo declarado de "desnazificar" a Ucrânia, defender as populações de língua russa e impedir um possível ingresso da ex-república soviética na Otan.

- 'Estado terrorista' -A Rússia concluiu na semana passada a conquista de Mariupol (sudeste), devastada por semanas de cercos e bombardeios.

Desta forma, conseguiu estabelecer uma ligação terrestre entre a região de Donbass e a península da Crimeia, anexada em 2014. A queda de Severodonetsk lhe permitiria fortalecer o controle do leste.

O prefeito de Mariupol, Vadim Boichenko, acusou as "forças de ocupação russas" de se comportarem como um "Estado terrorista", ao participar por videoconferência do Fórum Econômico Mundial de Davos, na Suíça.

O governo ucraniano está pedindo aos países ocidentais que enviem mais armas.

Entre o material entregue está o sistema lançador de mísseis antinavio Harpoon, prometido pela Dinamarca, que pode ajudar a romper o bloqueio contra a marinha russa no porto de Odessa, no Mar Negro.

Esse bloqueio paralisa a exportação de milhões de toneladas de trigo, em meio a temores de uma crise alimentar mundial.

"Milhões de pessoas podem ser empurradas para a pobreza e a insegurança alimentar se o conflito na Ucrânia continuar", disse Lola Castro, diretora para a América Latina e o Caribe do Programa Mundial de Alimentos (PMA), com sede regional no Panamá.

Desde o início do conflito, as potências ocidentais buscam pressionar a Rússia com crescentes sanções econômicas.

Os Estados Unidos anunciaram nesta terça-feira que encerrarão uma medida que permite à Rússia pagar seus compromissos estrangeiros com dólares, expondo Moscou a um default em sua dívida.

A União Europeia (UE) suspendeu as tarifas de importação de produtos ucranianos, embora pareça improvável que imponha um embargo iminente ao petróleo russo, devido à persistente oposição da Hungria.

O primeiro-ministro ultranacionalista da Hungria, Viktor Orban, decretou um novo estado de emergência, alegando a necessidade de enfrentar as consequências da guerra na vizinha Ucrânia.

Além disso, a guerra na Ucrânia está desenhando novas fronteiras no mapa de segurança na Europa, depois que Suécia e Finlândia, dois países tradicionalmente não alinhados militarmente, apresentaram suas candidaturas de adesão à Otan.

A Suíça anunciou que nos dias 4 e 5 de julho sediará uma conferência internacional destinada a arrecadar fundos para a reconstrução da Ucrânia.

"A invasão [da Ucrânia] pode ser o início da Terceira Guerra Mundial e nossa civilização pode não sobreviver", a menos que o presidente russo Vladimir Putin seja "derrotado", declarou o bilionário americano George Soros em Davos.

- 234 crianças mortas -Em três meses, milhares de pessoas, civis e militares morreram sem que houvesse um balanço preciso. Somente em Mariupol, as autoridades calculam 20.000 mortos.

A procuradora-geral da Ucrânia, Iryna Venediktova, denunciou que 234 crianças morreram e que 433 ficaram feridas no conflito.

O governo ucraniano calcula as baixas militares russas em 29.200 homens, mas fontes militares ocidentais reduzem esse balanço para 12.000 soldados.

O Kremlin reconheceu "perdas importantes", enquanto Kiev não informa suas baixas.

bur-ybl/roc/dbh/mas-an/js/mb/jc/rpr/ic/mvv