PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Maduro acusa Estados Unidos de 'discriminação de povos inteiros' na Cúpula das Américas

24/05/2022 21h55

Caracas, 25 Mai 2022 (AFP) - O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, afirmou nesta terça-feira que os Estados Unidos incorrem em "discriminação" contra "povos inteiros", diante da exclusão iminente de vários países da Reunião de Cúpula das Américas, que será realizada de 6 a 10 de junho em Los Angeles.

Venezuela, Cuba e Nicarágua se perfilam como os excluídos do evento, ameaçado por um boicote, segundo analistas.

"Pretendem excluir o povo da Venezuela da chamada Cúpula das Américas. Houve um grande protesto de mais de 25 governos contra a tentativa de excluir os povos de Cuba, Nicarágua e Venezuela", citou Maduro durante um ato em Caracas transmitido em cadeia obrigatória de rádio e TV.

"O caminho não pode ser a exclusão, a discriminação, discriminar povos inteiros, como Venezuela, Cuba, Nicarágua", criticou Maduro, afirmando que, "façam o que fizerem em Washington, a voz da Venezuela, a voz de Cuba e a voz da Nicarágua chegarão a Los Angeles".

Washington não deu a última palavra sobre quem será convidado para a próxima Reunião de Cúpula das Américas. No entanto, o governo do democrata Joe Biden, que, desde janeiro, vem apontando que o "compromisso com a democracia" seria "um fator-chave" para ser convidado, disse que não espera a presença de Cuba, nem de Nicarágua e Venezuela, uma vez que esses países "não respeitam" os princípios da Carta Democrática Interamericana em vigor desde 2001.

Os presidentes de México, Bolívia, Guatemala, Honduras, bem como outros da Comunidade do Caribe, disseram que não irão se não forem convidados todos os países da região, enquanto Argentina e Chile pediram que não haja exclusões.

Cuba, Venezuela e Nicarágua se reunirão na próxima sexta-feira em Havana, no âmbito da Aliança Bolivariana para os Povos de Nossa América (Alba), informou nesta terça-feira a chancelaria cubana.

mbj/atm/lb