PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

ONU acusa Espanha e Marrocos de 'uso excessivo da força' por morte de migrantes em Melilla

28/06/2022 15h37

Nações Unidas, Estados Unidos, 28 Jun 2022 (AFP) - Marrocos e Espanha recorreram, neste fim de semana, a um "uso excessivo da força" contra um grupo de migrantes na fronteira de Melilla, o que causou "a morte de dezenas de seres humanos, solicitantes de asilo e migrantes", declarou nesta terça-feira (28) o porta-voz da ONU, Stéphane Dujarric.

A tragédia "é inaceitável" e "deve ser investigada", acrescentou Dujarric, destacando que os excessos aconteceram "dos dois lados da fronteira".

"Ficamos muito comovidos com as imagens de violência vistas na fronteira entre Marrocos e Espanha, no norte da África, neste fim de semana e que culminou na morte de dezenas de seres humanos, solicitantes de asilo, migrantes", disse.

"As pessoas que se deslocam têm direitos e estes devem ser respeitados. Com muita frequência vemos que lhes faltam com respeito. Vimos isso dos dois lados da fronteira", acrescentou Dujarric.

Horas antes, uma porta-voz do Escritório do Alto Comissariado para os Direitos Humanos, Ravina Shamdasani, pediu em Genebra a abertura de uma investigação independente após a tentativa violenta em massa de entrar no enclave espanhol de Melilla, em território marroquino.

Ao menos 23 migrantes morreram e 140 policiais ficaram feridos, segundo as autoridades locais marroquinas, depois que cerca de 2.000 pessoas tentaram romper a enorme cerca que dividia a fronteira.

O Ministério Público espanhol anunciou uma investigação nesta terça-feira.

A pedido do Quênia, o Conselho de Segurança da ONU está programado para realizar uma reunião a portas fechadas sobre o ocorrido na quarta-feira.

prh/ube/dga/yow/ll/aa