PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Turquia pede extradições à Finlândia e Suécia após acordo sobre Otan

29/06/2022 11h14

Istambul, 29 Jun 2022 (AFP) - A Turquia pedirá à Finlândia e à Suécia a extradição de 33 pessoas que pertencem aos movimentos PKK e Fetö, que considera terroristas, anunciou nesta quarta-feira (29) o ministro de Justiça, Bekir Bozdag.

Este anúncio ocorre um dia depois da assinatura de um memorando entre os três países que inicia a adesão das nações nórdicas à Otan.

"Com o novo acordo, vamos pedir à Finlândia a extradição de seis membros do PKK e seis membros do Fetö. À Suécia, pediremos a extradição de dez membros do Fetö e onze do PKK", declarou o ministro, segundo meios de comunicação locais.

O Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) é qualificado como terrorista pela Turquia e seus aliados ocidentais.

Fetö é o acrônimo do movimento fundado pelo teólogo Fethullah Gülen, radicado nos Estados Unidos e considerado pelo presidente Recep Tayyip Erdogan como instigador da tentativa de golpe de Estado em julho de 2016.

Erdogan se reuniu durante várias horas na terça-feira, antes da abertura da cúpula da Otan em Madri, com seu homólogo finlandês Sauli Niinistö e a primeira-ministra sueca Magdalena Andersson.

A Turquia bloqueava a adesão deste dois países à Aliança Atlântica acusando-os de acolher militantes dos grupos terroristas, em referência ao PKK e Feto.

No final desta reunião, com a presença também do secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, foi apresentado o documento que abre as portas a um futuro acordo formal de ampliação da Aliança frente às ameaças da Rússia.

O memorando aborda muitos dos temas que preocupam Erdogan. Em relação aos grupos curdos, Helsinque e Estocolmo confirmaram a inclusão do PKK nas organizações terroristas e se comprometem a "não apoiar" seu aliado na Síria, as YPG.

Sobre os casos de extradição, o acordo afirma que Finlândia e Suécia os examinarão "rápida e minuciosamente", considerando os serviços de informação turcos.

A presidência turca celebrou o pacto. "A Turquia conseguiu o que queria", ou seja, a plena cooperação dos países nórdicos na luta contra o terrorismo, disse em nota.

Os dois países solicitaram seu ingresso depois que o presidente russo, Vladimir Putin, iniciou a invasão da Ucrânia em 24 de fevereiro e após ter permanecido durante toda a Guerra Fria à margem da Aliança liderada pelos Estados Unidos.

fo-ach/mar/es/mb/jc