PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

EUA promete trabalhar com aliados para apoiar detidos 'injustamente' em Cuba

30/06/2022 20h09

Washington, 30 Jun 2022 (AFP) - Os Estados Unidos prometeram nesta quinta-feira (30) trabalhar com seus aliados para apoiar os detidos "injustamente" em Cuba após os protestos em massa de julho, apontando que mais de 550 e mais de 700 permanecem presos.

O porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, disse que o governo de Joe Biden está "profundamente preocupado" com o que considerou "sentenças duras impostas a manifestantes políticos" na ilha, incluindo penas de "prisão, trabalho forçado ou outras medidas punitivas".

"Continuaremos trabalhando com nossos parceiros no mundo todo para demonstrar nosso apoio coletivo aos direitos dos cubanos detidos injustamente", afirmou Price em nota.

Price disse que os juízes cubanos condenaram mais de 550 manifestantes, entre eles mais de 20 que eram menores de idade no momento da prisão.

Além disso, apontou que o governo cubano mantém privados de liberdade mais de 700 participantes dos protestos de 11 de julho de 2021, quando milhares foram às ruas de toda Cuba dizendo ter "fome" e pedindo o fim da "ditadura".

"Apesar das provas em vídeo e fotográficas que mostram o contrário, o governo cubano tenta justificar suas detenções, processos e condenações draconianas ao afirmar falsamente que os protestos foram em grande parte violentos", afirmou Price.

E denunciou sentenças "exemplares" para manifestantes de bairros pobres de Havana, como La Guinera e 10 de Octubre, que têm populações afro-cubanas "significativas", "acusando-os de sedição e emitindo as penas mais duras, de até 26 anos em prisão".

"Seis réus desses bairros, com 16 ou 17 anos no momento de sua prisão, receberam até cinco anos de trabalhos forçados", acrescentou.

Price também destacou que funcionários do governo cubano continuam "assediando e ameaçando" parentes de manifestantes detidos, a fim de gerar "medo de represálias".

O governo cubano afirma que os protestos foram orquestrados pelos Estados Unidos.

ad/atm/ap