PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Presidente da Bolívia pede investigação sobre supostos pagamentos de traficante a seu partido

05/07/2022 22h06

La Paz, 6 Jul 2022 (AFP) - O presidente da Bolívia, Luis Arce, pediu ao Ministério da Justiça que investigue as denúncias sobre o suposto recebimento de fundos de um argentino acusado de tráfico de drogas pelo partido governista Movimento ao Socialismo (MAS), informou nesta terça-feira (5) o titular da pasta, Iván Lima.

"O presidente [Luis] Arce encaminhou a questão ao Ministério da Justiça. O Subministério da Transparência abriu um caso e iniciou uma investigação sobre esse aspecto", disse o ministro.

"Como Ministério da Justiça, recebemos o mandato do presidente e do vice-presidente para investigar, esclarecer e dar respostas ao povo boliviano sobre esse assunto, que de forma alguma pode ficar sem investigação e sem respostas ao nosso povo", afirmou.

Lima deu a informação em entrevista ao canal de televisão fechado Unitel, que o questionou sobre as denúncias feitas na semana passada pelo deputado governista Rolando Cuéllar contra o vice-presidente de seu partido, Gerardo García.

Segundo Cuéllar, García agradeceu em uma carta de janeiro de 2017 a "Miguel Ángel Salazar Yavi" por "suas grandes contribuições econômicas" desde 2014.

De acordo com o deputado, "Miguel Ángel Salazar Yavi" era na verdade o argentino José Miguel Farfán, preso na Bolívia em 2019 e entregue ao seu país, onde era procurado por narcotráfico.

O vice-presidente apresentou nesta terça-feira uma ação criminal contra Cuéllar por calúnia e difamação.

Toda a oposição, ao saber da denúncia de Cuéllar, pediu ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a abertura de uma investigação sobre o caso.

Os opositores consideram que, se comprovada a destinação irregular de recursos econômicos, o TSE deve anular a personalidade jurídica do MAS, o que o impediria de participar de eleições nacionais, departamentais e municipais.

As relações entre o MAS, liderado pelo ex-presidente Evo Morales (2009-2019), e o governo são tensas por conta de divergências políticas e lutas por espaços de poder.

jac/dga/ic/am