PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Singapura ignora protestos e executa dois condenados por tráfico de drogas

O singapurense Norasharee bin Gous e o malaio Kalwant Singh foram executados ontem - Reprodução/Youtube
O singapurense Norasharee bin Gous e o malaio Kalwant Singh foram executados ontem Imagem: Reprodução/Youtube

AFP

07/07/2022 06h47

Singapura executou duas pessoas condenadas por tráfico de drogas por enforcamento ontem, o que ativistas chamaram de "punição vergonhosa e desumana", o que aumenta para quatro o número de execuções desde março na cidade-Estado.

As execuções aconteceram depois que o enforcamento de um homem com deficiência mental em abril provocou indignação internacional.

Singapura, que tem uma das legislações antidrogas mais severas do mundo, insiste que a pena capital tem efeito dissuasivo contra o narcotráfico.

Ontem foram executados Kalwant Singh, um malaio de 32 anos, e Norasharee Gous, cidadão de Singapura, informou o ativista dos direitos humanos Kirsten Han.

O ativista disse à AFP que a irmã de Kalwant recebeu o certificado de óbito e que a família de Norasharee levou o corpo para uma mesquita.

A Anistia Internacional afirmou que o uso da pena de morte por Singapura é uma "flagrante violação dos direitos humanos".

Kalwant e Norasharee foram condenados em 2016 por um caso de tráfico de heroína.

O malaio fez na quarta-feira um apelo de última hora e afirmou que forneceu informações que permitiram a detenção de um importante narcotraficante, mas o pedido foi rejeitado por um painel de três juízes.

Ativistas temem mais execuções nos próximos meses.

Em uma entrevista recente à BBC, o ministro do Interior K Shanmugam defendeu a posição de Singapura sobre a pena de morte e afirmou que há "evidências claras de que é um importante fator de dissuasão para possíveis traficantes de drogas".

Internacional