Apoio da China à Rússia na guerra na Ucrânia 'tem que parar', diz Blinken

O chefe da diplomacia americana, Antony Blinken, afirmou, nesta terça-feira (18), que o apoio da China ao esforço de guerra russo na Ucrânia "tem que parar". 

A ajuda da China permite "à Rússia manter essa base de industrial de defesa ativa, manter a máquina de guerra ativa, manter a guerra, por isso que tem que parar", disse em uma coletiva de imprensa ao lado do secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg. 

Como havia dito no dia anterior, Stoltenberg pediu nesta terça-feira que a China assuma as "consequência" se seguir apoiando a Rússia. 

"A China não pode ter as duas coisas. Não pode seguir tendo relações comerciais normais com países da Europa e, ao mesmo tempo, alimentar a maior guerra que vimos na Europa desde a Segunda Guerra Mundial", disse Stoltenberg. 

A China afirma ser neutra na guerra na Ucrânia e se nega a enviar ajuda letal aos dois lados, diferentemente dos Estados Unidos e outros países ocidentais que fornecem apoio militar crucial a Kiev após a invasão russa. 

A associação estratégica entre a China e a Rússia se estreitou desde que a Rússia invadiu a Ucrânia em fevereiro de 2022. 

lb-wd/dw/erl/nn/dd/aa

© Agence France-Presse

Deixe seu comentário

Só para assinantes