Otan reforça apoio à Ucrânia

Em reunião histórica na capital americana, a Otan reforçou nesta quarta-feira seu apoio à Ucrânia, com o envio de caças F-16 e baterias de defesa antiaérea, e reconhecendo que o país está "em um caminho irreversível" para se tornar um membro da aliança atlântica.

"A Rússia continua sendo a ameaça mais significativa e direta à segurança dos aliados", afirma o comunicado final.

Na cúpula, "foram tomadas novas medidas para fortalecer nossa dissuasão e defesa, além de reforçar nosso apoio de longo prazo à Ucrânia para que possa prevalecer na guerra contra a Rússia", acrescenta o texto.

No entanto, os líderes expressaram preocupação com a posição da China, que "se tornou um facilitador decisivo da guerra da Rússia contra a Ucrânia por meio da sua chamada parceria 'sem limites' e do seu amplo apoio à base industrial de defesa russa", acusaram.

Um porta-voz de Pequim na União Europeia respondeu nesta quinta-feira (11) que a Otan "deveria parar de exagerar a chamada ameaça chinesa e de incitar o confronto e a rivalidade, e fazer mais para contribuir para a paz e estabilidade mundiais".

Antes da abertura oficial da cúpula, vários países da Otan anunciaram o envio de caças F-16 para a Ucrânia. O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, que está na capital americana, afirmou que essas aeronaves aproximam o país "de uma paz justa e duradoura".

- 'Caminho irreversível' -

Os F-16, procedentes da Dinamarca e Holanda, "voarão no céu ucraniano neste verão", declarou o secretário de Estado americano, Antony Blinken. A Casa Branca informou que Bélgica e Noruega prometeram fornecer mais aeronaves.

Embora a Ucrânia deseje receber um convite formal para se juntar à Otan, ainda terá que esperar devido à oposição de vários países, incluindo os Estados Unidos.

Continua após a publicidade

Por enquanto, a declaração reconhece que a Ucrânia está em um "caminho irreversível" em direção à adesão à Otan.

Segundo o chanceler alemão Olaf Scholz, as decisões tomadas pela Otan "oferecem à Ucrânia a clareza de que precisa".

Após comemorar com pompa o 75º aniversário da aliança militar ocidental na terça-feira, os líderes se reuniram no Conselho do Atlântico Norte.

O presidente dos Estados Unidos confirmou na noite desta terça-feira que os aliados fornecerão à Ucrânia um total de cinco sistemas de defesa aérea, incluindo quatro baterias Patriot, mísseis terra-ar especialmente eficazes para interceptar mísseis balísticos russos. Alemanha, Holanda, Romênia e Itália também contribuirão.

A Rússia intensificou seus ataques com mísseis contra a Ucrânia, matando 43 pessoas e devastando o maior hospital infantil do país em Kiev nesta semana. Os mísseis russos também destruíram metade da capacidade energética do país.

Mais de dois anos após a invasão russa, os aliados também se comprometerão a desenvolver sua indústria de defesa ucraniana, disse nesta quarta-feira o secretário-geral em fim de mandato da Otan, Jens Stoltenberg.

Continua após a publicidade

"Este novo compromisso envia uma mensagem inequívoca ao mundo", destacou Biden, que comemorou depois que 23 dos 32 países que fazem parte da aliança confirmaram que irão destinar 2% de seu PIB a gastos militares.

Os líderes também decidiram que a ajuda militar da Otan para a Ucrânia "no próximo ano" será no mínimo de 40 bilhões de euros (R$ 232 bilhões).

- Sombra de Trump -

A cúpula de Washington acontece em meio a uma incerteza política nos Estados Unidos, e Biden luta para conter uma rebelião de parlamentares democratas que pedem que ele desista da corrida por um segundo mandato contra Trump, após seu desastroso debate com o republicano.

Sobre a cúpula paira a sombra do ex-presidente Trump, cujas declarações a respeito da Otan parecem enfraquecer o princípio de assistência mútua previsto no Artigo 5º do Tratado.

"Espero que, qualquer que seja o resultado das eleições, os Estados Unidos continuem sendo um aliado forte e leal da Otan", declarou Stoltenberg.

Continua após a publicidade

O presidente finlandês, Alexander Stubb, admitiu, no entanto, que a polarização nos Estados Unidos é "muito tóxica".

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, que ocupa a presidência rotativa da UE, terá a oportunidade de falar sobre suas polêmicas viagens a Moscou e Pequim.

O presidente ucraniano se encontrará com parlamentares antes de participar de um Conselho Otan-Ucrânia nesta quinta-feira, último dia da cúpula. Essa também será uma data crucial para Biden, já que todas as atenções estarão voltadas para uma coletiva de imprensa do presidente americano, que será avaliado não apenas por aquilo que vai dizer, como também pela forma como o dirá.

bur-lb/ob/erl/mr/aa/dd/jb/ic/am-lb

© Agence France-Presse

Deixe seu comentário

Só para assinantes