China entra na era dos dois filhos por casal, após 35 anos de filhos únicos

A China, país mais populoso do mundo, começa hoje (1º) a permitir que os casais ternham dois filhos. Com isso, chega ao fim o período de 35 anos da rígida política do filho único.

Uma emenda à lei de planejamento familiar, aprovada em 27 de dezembro de 2015, e que estende a todos os casais a autorização para terem dois filhos, entrou em vigor com a chegada de 2016, apenas dois meses depois de, no final de outubro, a mudança ter sido anunciada um reunião do Partido Comunista chinês.

A mudança na política demográfica pode ter consequências significativas em uma sociedade em que muitas crianças nascidas desde a década de 1980 não têm irmãos, sobretudo em zonas urbanas - no campo era permitido um segundo filho se o primeiro fosse do sexo feminino. Especialistas chineses, no entanto, são cautelosos na hora de fazer previsões.

"Entre o final deste ano e o início do próximo surgirão as primeiras mudanças. É evidente que o número de bebês vai aumentar, mas não tanto", disse Lu Jiehua, especialista do Instituto de Estudos da População, à agência noticiosa espanhola EFE.

Jiehua disse que os futuros pais que se vão ver beneficiados pela política, precisamente os da geração do filho único, "pensam muito hoje em dia na hora de constituir uma família, porque é um encargo muito grande" em um país onde a educação e a saúde não são gratuitas nem baratas.

"Entre 2017 e 2019 pode haver um maior número de nascimentos, mas dentro de cinco anos vai regressar ao nível de agora. A partir de 2020 será preciso ver se a política deve ser ampliada", afirmou Lu Jiehua, referindo-se à eventual possibilidade de a China passar a permitir três ou mais filhos.

A restrita política do filho único tem sido flexibilizada nos últimos anos. Em 2013, por exemplo, foi aliviada com a ampliação do número de exceções em que um casal poderia ter um segundo descendente.

O governo chinês estima que, a partir de hoje, 100 milhões de famílias sejam beneficiadas pela "política dos dois filhos".

O especialista Xiang Junyong, da Universidade Popular de Pequim, também foi prudente na hora de fazer previsões sobre o aumento anual do número de nascimentos como consequência da nova política, apontando um intervalo entre 3 milhões e 8 milhões a mais.

Atualmente, registam-se cerca de 15 milhões de nascimentos por ano na China, mas estima-se que, até 2020, esse número aumente para 20 milhões, uma marca que o país nunca alcançou desde 1997.

"Em curto prazo vai haver um aumento da população, mas mais à frente não vai haver assim tantas mudanças", prevê Xiang, ao explicar que muitos dos beneficiados são pessoas que nasceram nos anos 70 e que, no caso das mulheres, se encontram nos últimos anos de fertilidade.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos