Edinho Silva diz que relações com empreiteiro foram "dentro da legalidade"

O ministro da Secretaria de Comunicação Social, Edinho Silva, disse hoje (7), por meio de nota, que sua relação política com o ex-presidente da empreiteira OAS Léo Pinheiro, condenado no esquema de corrupção da Petrobras, sempre se deu "de forma transparente e dentro da legalidade".

De acordo com reportagem do canal de TV Globo News, entre 2012 e 2014, o ministro trocou mensagens com Pinheiro em que combinava doações para a campanha da presidenta Dilma Rousseff à reeleição.

Em nota publicada em seu blog pessoal, o ministro, que foi coordenador financeiro da campanha de Dilma, diz que esteve com o executivo diversas vezes discutindo temas legislativos e relacionados a "doações legais".

Edinho diz que sempre manteve relações políticas com empresários de "forma transparente e dentro da legalidade". O ministro, que já foi deputado estadual pelo PT de São Paulo e presidente do partido no estado, disse que considera "impossível que alguém que ocupe cargo público deixe de dialogar com representantes da sociedade civil, inclusive empresários".

"Todas as doações para a campanha à reeleição da presidenta Dilma Rousseff, em 2014, foram efetuadas dentro da legalidade. As contas de campanha foram aprovadas por unanimidade pelo Tribunal Superior Eleitoral", escreveu.

Em relação a presentes recebidos do empresário em seu aniversário, também registrados nas mensagens, o ministro diz que o fato "nunca significou ou implicou qualquer contrapartida que significasse atos ilícitos".

No blog, Edinho Silva também criticou o que classificou de "vazamentos seletivos e fora de contexto" da quebra do sigilo telefônico do executivo da OAS.

Jaques Wagner
Também vazaram nessa quinta-feira informações sobre troca de mensagens entre Pinheiro e o ministro-chefe da Casa Civil, Jaques Wagner.

Segundo reportagem do jornal O Estado de São Paulo, quando era governador da Bahia, Wagner e o executivo da empreiteira negociaram apoio financeiro para a campanha do PT à prefeitura de Salvador, em 2012.  Nas mensagens, o então governador também recebeu pedidos para intermediar interesses do empresário junto ao Ministério dos Transportes.

Em nota, o ministro disse estar "absolutamente tranquilo" em relação a sua "atividade política institucional".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos