China adverte Taiwan que resultado de eleições não trará independência

A China advertiu hoje (15) que, independentemente do resultado das eleições presidenciais, previstas para este sábado em Taiwan, a ilha continuará a ser uma província chinesa, reafirmando, assim, o princípio de "uma só China".

"Sempre defenderemos a política de uma só China e somos contra a independência de Taiwan (...) Não importa as alterações que possam ocorrer em Taiwan, a nossa postura será sempre a mesma", afirmou o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Hong Lei.

As sondagens dão como favorito à vitória o Partido Democrático Progressista (PDP), pró-independência, e que governou entre 2000 e 2008, período em que as relações entre Taipei e Pequim se tornaram tensas.

Após o regresso ao poder do KMT, há sete anos, as relações melhoraram numa aproximação vista com desconfiança pela opinião pública de Taiwan.

Depois que a guerra civil chinesa terminou, com a vitória do Partido Comunista da China (PCC), o antigo governo nacionalista (Kuomintang) se refugiou na ilha de Taiwan, onde continua se identificando como governante de toda a China.

Do ponto de vista da diplomacia internacional, passaram a existir a República Popular da China, governada pelo PCC, e a República da China, dirigida pelos nacionalistas, mas ambos os lados rejeitaram sempre uma divisão definitiva.
Pequim defende a "reunificação pacífica" com Taiwan segundo o mesmo modelo adotado em Macau e Hong Kong ("um país, dois sistemas"), mas admite "usar a força" se a ilha declarar a independência.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos