Associação defende ingresso de indústrias no mercado livre de energia

A Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel) defendeu hoje (26) o acesso de todas as unidades fabris instaladas no Brasil ao mercado livre de energia. Segundo a entidade, a medida estimularia o setor produtivo, com redução da taxa inflacionária e impulso ao crescimento econômico.

O mercado de energia no país é dividido entre a contratação regulada e a contratação livre. Na segunda modalidade, os consumidores livres compram energia diretamente dos geradores ou comercializadores, por meio de contratos bilaterais com condições livremente negociadas.

Segundo a Abraceel, "atualmente, apenas 15 mil indústrias no país têm acesso ao mercado livre, por força da regulação em vigor, sendo que o país possui cerca de 330 mil indústrias". A entidade destacou que a previsão de preços "extremamente favoráveis" no mercado livre de energia pelo período de 2016 a 2020, "em função da sobra energética no sistema".

Ainda de acordo com a Abraceel, dois estudos sobre o assunto projetam uma redução de 46% na conta de luz das indústrias que podem negociar diretamente no mercado livre de energia. A entidade disse que entregará os estudos na quinta-feira (28) ao ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga.

Procurada, a assessoria de comunicação do Ministério de Minas e Energia disse ainda não ter informações sobre possível reunião de Braga com a Abraceel.  O ministério não se manifestou sobre o teor da proposta da entidade.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos