ONU pede US$ 861 milhões para ajuda humanitária no Iraque

A Organização das Nações Unidas (ONU)  pediu hoje (31) à comunidade internacional uma ajuda de 794 milhões de euros (US$ 861 milhões) para atender às necessidades humanitárias do Iraque, que tem milhões de vítimas de guerra e de deslocados.

Nos últimos dois anos, 3,3 milhões de iraquianos foram forçados a sair de suas casas devido ao conflito com o grupo extremista Estado Islâmico (EI) e cerca de 250 mil sírios procuraram refúgio no Iraque, para fugir da guerra civil que afeta o país desde março de 2011.

"Queremos usar este dinheiro para ajudar 7,3 milhões de pessoas, aquelas que estão mais vulneráveis no Iraque", afirmou, em uma conferência de imprensa em Bagdá, a coordenadora humanitária da ONU no Iraque, Lise Grande.

"A prioridade é ter acesso ao maior número de pessoas e fornecer-lhes o que precisam para sobreviver: alimentos, dinheiro, abrigos e água", acrescentou.

Com a queda acentuada do preço do petróleo, o Iraque, país fortemente depende das receitas petrolíferas, não consegue responder aos custos crescentes da crise humanitária.

"O governo [do Iraque] não tem soluções, porque o preço do petróleo é muito baixo e é por isso que fazemos este apelo à generosidade da comunidade internacional", afirmou a coordenadora humanitária.

Durante 2014, os 'jihadistas' do EI conquistaram vastas áreas do território iraquiano, sobretudo a norte e a oeste da capital Bagdá.

Com o apoio de uma coligação internacional liderada pelos Estados Unidos, as forças iraquianas combatem em terra e tentam recuperar o controle das regiões dominadas pelo EI.

O número de deslocados iraquianos poderá aumentar ainda mais durante 2016, com os combates para a reconquista de algumas províncias, como é o caso de Al-Anbar e Ninive.

"Com a intensidade dos combates dos próximos meses, 11 milhões de iraquianos, talvez 12 ou até mesmo 13 milhões, poderão precisar de assistência humanitária até o final de 2016", segundo o plano de resposta humanitária das Nações Unidas.

O mesmo documento prevê que mais de 500 mil pessoas terão de abandonar suas casas durante este ano, a maioria habitantes de cidades e de distritos localizados entre Mossul e Al-Anbar.

"Talvez um milhão de [pessoas] será afetado pela batalha de [reconquista] Mossul", a segunda maior cidade iraquiana e o bastião dos 'jihadistas' no Iraque.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos