Consumo de energia elétrica no país cai 2,1% em 2015

O consumo de energia elétrica no Brasil fechou 2015 com queda de 2,1% sobre 2014. Segundo dados da Resenha Mensal do Mercado de Energia Elétrica, divulgada hoje (1º) pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE), foram demandados ao Sistema Interligado Nacional (SIN) no ano passado 464,7 mil gigawatts-hora (GWh).

Segundo a EPE, a queda reflete a redução de 5,3% do consumo da insdústria, em quase todos os seus segmentos, em decorrência do cenário econômico desfavorável ao longo do ano.

O consumo residencial também fechou os 12 meses do ano passado com queda, de 0,7%, influenciada pela alta das tarifas, registrando a maior redução desde 2004.

A única classe que registrou expansão no consumo foi o segmento comercial, que apresentou um resultado positivo de 0,6%, ainda assim "muito aquém do desempenho registrado nos últimos cinco anos", de acordo com a EPE.

No último mês do ano passado, o consumo residencial caiu pela primeira vez desde o racionamento em 2001, apresentando recuo de 0,3% em relação a dezembro de 2014. A indústria teve queda de 8,4% no período e o comércio encerrou o mês em queda de 0,2%, na mesma base de comparação. "Pela primeira vez depois do racionamento de 2001, o consumo médio nas residências brasileiras em dezembro de 2015 registrou retração. Tal resultado se deve à combinação de aspectos tais como o quadro econômico adverso, elevação da tarifa média de eletricidade ao consumidor, esta impactada tanto pelo índice de reajuste superior a 40% em algumas distribuidoras do país quanto pela incidência da bandeira vermelha nas contas de eletricidade durante o ano de 2015", justifica a EPE.

Na avaliação da empresa, "as condições desfavoráveis de emprego, renda e crédito foram determinantes para a não aquisição de novos eletrodomésticos pelas famílias: as estatísticas da PMC/IBGE (Pesquisa Mensal de Comércio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mostram que o volume de vendas desses equipamentos reduziu-se 12,4% no ano (volume acumulado até novembro)."

A expansão de unidades consumidoras residenciais também ficou aquém da média histórica de 3,5%, desde 2004. Em 2015, 1,6 milhão de novas unidades foram acrescidas à base, o que significa um crescimento de 2,5% em relação a dezembro de 2014.

Na classe comercial, o resultado verificado em 2015 (aumento de 0,6%) ficou longe da expansão que vinha sendo registrada nos últimos cinco anos (superior a 6%, em média), o que, para a EPE, confirma o enfraquecimento da atividade comercial e o recuo de investimentos no setor. Em termos regionais, coube ao Nordeste a principal contribuição para o resultado ainda positivo no comércio. Na região, que responde por 15% da classe comercial do país, o consumo cresceu 4,3%. A EPE atribui o aumento à maturação de investimentos no setor como um todo, que foram se concretizando ao longo do ano, sobretudo no primeiro semestre.

Consumo industrial

O consumo de energia elétrica nas indústrias totalizou 169.574 GWh em 2015, recuo de 5,3% sobre o ano anterior (179.106). As estimativas da EPE indicam que a redução de 9.532 GWh no consumo industrial do ano equivale à potência de uma usina hidrelétrica de 2.200 megawatt (MW) de capacidade instalada. Os dados indicam ainda que o consumo no mês de dezembro foi o menor do ano, com retração de 0,6% na série dessazonalizada.

O consumo da indústria apresentou quedas mensais ao longo de 2015, que foram intensificadas no segundo semestre. O último trimestre do ano fechou com recuo de 7,7%, o maior do ano e o mais forte já registrado para o período em toda a série de consumo iniciada em 2004.

O Sudeste foi a região com o maior declínio absoluto na demanda de energia elétrica na indústria: de 5.256 GWh, o equivalente a uma usina hidrelétrica de 1.200 MW de capacidade instalada.

São Paulo (metalurgia, automotivo e produtos de metal exceto máquinas e equipamentos) e Minas Gerais (metalurgia, química e automotivo), primeiro e segundo maiores consumidores industriais do país, estão entre os estados com as maiores reduções de consumo em 2015, ressaltou a EPE.

O Nordeste do país é a região que terminou o ano com a maior queda percentual na demanda por eletricidade (-8,8%).

Os dados da EPE  indicam ainda que a retração do consumo industrial no ano passado foi generalizada e atingiu 12 dos 13 maiores segmentos consumidores de eletricidade, liderados pelo setor de metalurgia, ramo industrial que mais demanda energia no país, cuja queda foi de 2,5%.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos