Assange diz que se entrega se ONU decidir que prisão não foi arbitrária

Foto de arquivo divulgada em 2012, do fundador do Wikileaks Julian Assange na varanda da Embaixada do Ecuador em Londres

O fundador do portal WikiLeaks, Julian Assange, na varanda da Embaixada do Equador em LondresKerim Okten/EPA/Agência Lusa

O fundador do portal WikiLeaks, Julian Assange, garantiu hoje (4) que vai se entregar à polícia britânica nesta sexta-feira se um painel da Organização das Nações Unidas (ONU) concluir que ele não foi detido arbitrariamente, após três anos na embaixada do Equador em Londres.

"Se a ONU anunciar amanhã [sexta-feira] que eu perdi o meu caso contra o Reino Unido e a Suécia, devo deixar a embaixada ao meio-dia de sexta-feira e aceitar a detenção pela polícia britânica, uma vez que deixa de haver uma perspectiva significativa para um futuro recurso", afirmou em comunicado.

"Contudo, caso eu leve a melhor e se conclua que os Estados atuaram ilegalmente, espero a devolução imediata do meu passaporte e o fim de eventuais tentativas de me prender", acrescentou.

O australiano, de 44 anos, encontra-se na embaixada do Equador em Londres desde 2012, quando esse país lhe concedeu asilo, em meio a um longo processo legal no Reino Unido, que terminou com a decisão de sua entrega às autoridades da Suécia, onde é suspeito de crimes sexuais.

Alvo de um mandado europeu de detenção, Assange recusa-se a viajar para a Suécia com medo de ser extraditado para os Estados Unidos, onde poderá ser processado pela publicação no portal WikiLeaks, em 2010, de 500 mil documentos secretos da Defesa norte-americana relativos ao Iraque e ao Afeganistão e 250 mil comunicações diplomáticas.

Em Quito, horas antes, o ministro dos Negócios Estrangeiros do Equador, Ricardo Patiño, manifestou-se "preocupado" com a saúde de Assange.

Em outubro último, o governo equatoriano revelou ter pedido ao Reino Unido um salvo-conduto humanitário para que o fundador da Wikileaks pudesse fazer um exame médico, sem obter "resposta positiva".

Por outro lado, Patiño afirmou, nessa quarta-feira, não ter informação oficial sobre a decisão do Grupo de Trabalho sobre Detenção Arbitrária da ONU, painel que vai se pronunciar manhã sobre o caso, a pedido dos advogados de Assange.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos