Advogados da Odebrecht defendem ilegalidade das provas da Lava Jato

Os advogados da empreiteira Odebrecht defenderam hoje (10), na Justiça Federal em Curitiba, a ilegalidade das provas que foram enviadas à força-tarefa do Ministério Público Federal (MPF) que atua nas investigações da Operação Lava Jato. Para a defesa, os documentos, que estavam em poder do Ministério Público da Suíça, não podem ser utilizados nas investigações pelo fato de a Justiça suíça reconhecer que ocorreram erros procedimentais no repasse dos dados por parte das autoridades suíças.

A manifestação dos advogados da empreiteira foi enviada ao juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal em Curitiba, na manhã de hoje, antes da decisão do magistrado que autorizou a utilização das provas.

Para a defesa, os documentos devem ser retirados do processo, por terem chegado ilegalmente à força-tarefa, por meio de acordo de cooperação do Ministério Público brasileiro com o MP Suíço. Em janeiro, a Justiça da Suíça entendeu que as informações foram repassadas ilegalmente, no entanto, não determinou que os documentos sejam devolvidos pelas autoridades brasileiras.

A empreiteira recorreu para impedir que o Ministério Público brasileiro utilize os dados financeiros para embasar as investigações da Lava Jato envolvendo a empresa. De acordo com as investigações, os dados revelam supostos valores indevidos que eram pagos em contas operadas pelo ex-diretores da Petrobras na Suíça, por meio de empresas offshore controladas pela Odebrecht.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos