Municípios podem pedir ajuda das Forças Armadas para combater Aedes aegypti

Brasília - O secretário Nacional de Proteção e Defesa Civil, general Adriano Pereira Júnior, durante entrevista ao programa Brasil em Pauta fala sobre o combate ao mosquito Aedes aegypti transmissor da dengue, chik

O secretário nacional de Proteção e Defesa Civil, general Adriano Pereira Júnior, durante entrevista ao programa Brasil em Pauta, fala sobre o combate ao mosquito Aedes aegypti Elza Fiuza / Agência Brasil

O secretário nacional de Proteção e Defesa Civil, Adriano Pereira Júnior, disse hoje (12) que estados e municípios podem pedir o apoio das Forças Armadas para reforçar o combate ao mosquito Aedes aegypti, independentemente da mobilização nacional, marcada para amanhã (13). Segundo ele, cerca de 300 mil agentes comunitários de saúde e agentes de combate a endemias agem diariamente para eliminar o vetor do vírus Zika, também transmissor da dengue e da chikungunya.

"Temos mais de 3 mil militares [das Forças Armadas] trabalhando diariamente, eliminando criadouros do mosquito, em todos os municípios que solicitaram [ajuda]. Aqueles que verificaram que o número de agentes era insuficiente para cumprir as metas e precisou de reforço, solicitou apoio, e o governo federal colocou à disposição os militares", explicou o secretário Adriano Pereira, em entrevista ao programa Brasil em Pauta, produzido pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República em parceria com a EBC Serviços.

Neste sábado, ocorre o Dia Nacional de Mobilização para o Combate ao Aedes aegypti. Cerca de 220 mil militares foram deslocados para a ação promovida pelo governo federal. Eles vão acompanhar os agentes de saúde no trabalho de conscientização, de casa em casa, para mobilizar famílias no combate ao mosquito. Três milhões de famílias deverão ser visitadas em casa, em 350 municípios.

As cidades escolhidas foram aquelas com a presença de unidades militares e aquelas com maior incidência do mosquito, de acordo com dados do Ministério da Saúde. Segundo Pereira, não é possível saber o nível de infestação nacional do Aedes aegypti, mas deve ultrapassar 1% - que é o considerado aceitável pela Organização Mundial da Saúde.

"Todos têm de estar engajados nesta luta, não só conhecendo, mas também executando as tarefas. Uma vez por semana limpe sua casa, cuide se não há um criadouro. E tem que ser uma rotina semanal, porque o ciclo do mosquito é de sete dias. Não adianta fazer na primeira semana e passar três semanas sem fazer nada, pois poderá aparecer um foco e termos três gerações do mosquito", destacou.

Combate

O reforço no combate ao Aedes aegypti começou no dia 29 de janeiro, com um mutirão de limpeza em prédios e instalações da administração pública em todo o país. Após a mobilização de amanhã, na próxima etapa, entre 15 e 18 de fevereiro, 50 mil militares das Forças Armadas farão visitas, em ação coordenada com o Ministério da Saúde e autoridades locais, para inspecionar possíveis focos de proliferação nas casas e, se for o caso, aplicar larvicida. A última etapa será em parceria com o Ministério da Educação, com visitas às escolas e conscientização das crianças e adolescentes sobre formas de evitar a multiplicação do mosquito transmissor.

 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos