Secretaria pede explicações sobre vazamento de chorume no Rio

A Secretaria Municipal de Ambiente e Agronegócios de Seropédica, na região metropolitana do estado do Rio de Janeiro, encaminhou hoje (23) um ofício ao Instituto Estadual do Ambiente (Inea), da Secretaria de Estado de Ambiente, solicitando o relatório técnico e notificações que o órgão fez após o vazamento de chorume no Centro de Tratamento de Resíduos (CTR) do município. Se não houver resposta, a secretaria fará uma intimação.

"Eu tenho dois processos abertos no município, com todas as notificações que fizemos com autos de constatação, que me permitem abrir processo contra a empresa e pedir a minimização do impacto", informou o secretário Ademar Quintella, em entrevista à Agência Brasil. Ele disse que qualquer compensação por parte da empresa só pode ser decidida após definição dos danos causados.

De acordo com ele, foi pedido também o projeto executivo da elevatória da estação de tratamento para o armazenamento do chorume. A preocupação, segundo ele é identificar o impacto que o vazamento pode ter provocado aos córregos e valões da região, incluindo contaminação do Aquífero Piranema. Além disso, foi constatada a presença de animais [cachorros e bovinos] na área do centro. "Não pode ter nenhum animal transitando dentro do lixo que vem de quatro municípios e, depois, entrando em nosso município. Aí pode trazer zoonoses, doenças de outros locais para a gente", afirmou.

Segundo a empresa Serb Saneamento e Energia Renovável S/A (Ciclus), responsável pela administração do centro, o vazamento ocorreu depois da chuva forte que caiu no município, no sábado (21), o que provocou queda de energia e causou paralisação no sistema, agravada pelo não funcionamento de um gerador e resultou no transbordamento de uma das elevatórias de armazenamento.

Para o secretário, o ocorrido mostra uma falha no projeto de construção do centro. "O gerador, que era para entrar em funcionamento, não entrou e não existia uma válvula de contenção de um duto que chega por gravidade nessas lagoas. Acho que o projeto foi falho e o licenciamento pelo Inea também. Estamos falando de um aquífero que a gente sempre teve um cuidado muito grande", indicou.

A secretaria também notificou a Ciclus, para tentar mensurar a quantidade de chorume que vazou para o valão que passa na área do centro e corre, ainda, para espaços externos na vila de moradores. "O prazo seria de 48 horas, que nós demos, e hoje eles entraram com uma solicitação de mais 48 horas, porque estão tentando pegar todos os dados", informou.

Quintella revelou, ainda, que pediu ao Inea os dados dos postos de monitoramento por um período de 24 meses, para acompanhar os impactos causados pelo transbordamento. "Isso não penetra como uma esponja. Isso só vai mostrar em um horizonte de tempo maior do que em dois dias. Não tem como mensurar a quantidade. O que transbordou foi de dois tanques da elevatória de 500 metros cúbicos. Dá para mensurar quanto litros de chorume tinha ali, no momento em que começou a transbordar? Transbordou todo esse ou mais que entrou por gravidade? Qual o período que ficou sem atividade sem a energia? Isso eles têm que nos passar."

Por meio de nota, o Inea informou que a supervisão do trabalho de retirada do chorume que vazou está sendo feita pelo Serviço de Operações de Emergência (Sopea).

O instituto garantiu que o chorume líquido já foi quase todo retirado e que, agora, o serviço se concentrará na retirada da camada superficial do solo do valão para onde o resíduo seguiu após o transbordamento. Na avaliação do secretário, pode ser que a quantidade retirada não tenha sido a necessária. "Não tem como um líquido sobre um solo e sobre um córrego que tem uma vazão x retirar só 100 metros de rejeitos, como eu vi lá, e dizer que já foi solucionado", apontou.

Conforme o Inea, a Ciclus será autuada e receberá uma multa que ainda terá o valor definido pelo Conselho Diretor do instituto. O instituto nformou também que equipes da Ciclus fizeram dois diques de contenção, retiraram o chorume líquido por meio de sucção e transportaram o material para o tratamento adequado no CTR.

Pelos cálculos do Inea, com a parada da bomba usada para transferir o chorume de uma bacia de estocagem para a Estação de Tratamento de Efluentes (ETE), causada pela queda de energia, houve o vazamento de cerca de 50 mil litros de chorume, que atingiram o valão do Brejo.

O CTR de Seropédica foi inaugurado em 2011 e substituiu o Aterro Sanitário de Gramacho, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. De acordo com o secretário, a maior parte do lixo que ele recebe é do município do Rio. "Hoje são depositados lá 9 mil toneladas de lixo por dia, sendo que do município que do município de Seropédica são 40 toneladas por dia", destacou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos