STF entra em recesso na quarta e recursos de Lula serão decididos por liminar

A guerra jurídica que envolve a posse do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no cargo de ministro da Casa Civil pode ser resolvida pelo plenário do STF somente a partir da semana que vem. Devido ao feriado da Semana Santa, o Supremo não terá sessões nas duas turmas e no plenário nesta semana.

No entanto, uma decisão provisória pode ser proferida pelos ministros Teori Zavascki e Edson Fachin, relatores de recursos protocolados pela defesa de Lula e pela Advocacia-Geral da União (AGU).

De acordo com a Lei 5.010/1966, norma que organizou a Justiça Federal (JF), é feriado na JF e nos tribunais superiores da quarta-feira da Semana Santa até o domingo de Páscoa.

O Supremo já recebeu 17 ações que envolvem a posse de Lula. Em duas delas, o ministro Gilmar Mendes decidiu, na última sexta-feira (18), atender pedido do PPS e do PSDB para suspender a nomeação de Lula, além de determinar que o ex-presidente continue sendo investigado pelo juiz federal Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal em Curitiba.

Habeas corpus

O ministro Edson Fachin é o relator de um habeas corpus (HC) no qual a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pede a nulidade da decisão de Gilmar Mendes. Inicialmente, o pedido foi enviado ao presidente do STF, Ricardo Lewandowski, mas hoje o ministro decidiu distribuir o habeas corpus eletronicamente, por entender que o assunto não é de competência da presidência do tribunal.

Teori Zavascki relata recurso da Advocacia-Geral da União (AGU) para que as ções que contestam a posse de Lula na Casa Civil sejam suspensas, inclusive a proferida por Gilmar Mendes, até decisão definitiva da Corte.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos