PMDB do MS cobra rompimento imediato do partido com governo

O senador Waldemir Moka (PMDB-MS) leu hoje (22), no plenário do Senado, uma carta do diretório regional do partido defendendo o imediato rompimento do PMDB nacional com o governo da presidenta Dilma Rousseff.

"O PMDB de Mato Grosso do Sul reafirma a posição manifestada na Convenção Nacional do Partido de imediato rompimento com o governo federal e condena a nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, um ato que fere a Justiça e é contrário aos interesses do povo brasileiro", acrescentou o documento.

No texto, as lideranças do PMDB sul-matogrossense alegam que "a presidenta Dilma não tem mais condições políticas nem credibilidade para conduzir o país através da crise" e orientam as bancadas no Congresso Nacional a votar a favor do impeachment.

"Nesse sentido, o PMDB de Mato Grosso do Sul requer a entrega imediata de todos os cargos federais de confiança ocupados por indicação do partido e exige a demissão do deputado federal Mauro Lopes (MG) ou sua expulsão do partido, por descumprir decisão expressa da convenção nacional", conclui o texto lido pelo senador.

Moka disse que a carta representa o que ele próprio pensa e rechaçou os argumentos de que o processo de impeachment em curso na Câmara dos Deputados seja um golpe. Ele lembrou que o rito foi ditado pelo Supremo Tribunal Federal e a decisão final será votada pelos plenários das duas casas, sendo necessário dois terços dos votos dos deputados a favor do impedimento para que o processo siga para o Senado.

"Ora, se 342 deputados, legitimamente eleitos em seus estados, não tiverem representatividade para votar isso, não sei mais o que é democracia", afirmou o senador.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos