STJ notifica ministro da Justiça sobre ação que questiona interferência na PF

A ministra do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Assusete Magalhães pediu hoje (22) que o ministro da Justiça, Eugênio Aragão, se manifeste sobre o pedido do PPS para evitar interferências na Polícia Federal. Ontem (21), o partido entrou com um mandado de segurança no tribunal questionando declarações do ministro em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo.

De acordo com a decisão, Aragão terá 72 horas, após ser notificado, para se manifestar. No pedido, o PPS pretende impedir que o ministro da Justiça afaste "qualquer delegado ou agente da Polícia Federal das atividades da investigação em que esteja envolvido, mesmo em caso de suspeita de vazamento de informações, senão após a instauração do competente processo administrativo disciplinar".

No último sábado, Aragão diz que não vai tolerar vazamentos em operações da PF. Segundo o ministro, a substituição na equipe poderá ocorrer caso seja identificado "cheiro de vazamento", mesmo sem a necessidade de provas, uma vez que a PF está sob sua supervisão.

Ontem, em nota, Aragão disse que a atual diretoria da Polícia Federal tem sua "plena confiança" e que não está nos planos do ministério a substituição do diretor-geral do órgão, Leandro Daiello.

"O Ministério da Justiça informa que o diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello, continua gozando de plena confiança por parte do ministro da Justiça e não há nenhuma decisão sobre a sua substituição", diz o texto divulgado pela assessoria da pasta.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos