Oposição critica defesa de Cardozo na comissão do impeachment; aliados elogiam

Um dos principais defensores do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMBD-RJ), o deputado Carlos Marun (PMDB-MS) disse hoje (4) que a defesa da presidenta Dilma Rousseff apresentada pelo advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, à comissão especial do impeachment foi "esvaziada de razão".

Marun rebateu a acusação de Cardozo de que o recebimento da denúncia foi fruto de "vingança" por parte do presidente da Casa.

"Não tenho conhecimento antigo do Cunha para saber desse detalhe da sua personalidade. Ele [Cardozo] colocou que foi uma vingança. Se foi vingança, bendita vingança, que vai levar ao impedimento da presidente e a um novo rumo para o país", disse o peemedebista.

Cardozo disse à comissão que o recebimento da denúncia contra Dilma deu-se por "vingança" de Cunha, o que caracterizaria "desvio de poder" pelo fato de o PT defender a cassação do presidente da Casa no Conselho de Ética.

Para líder PSDB, Antonio Imbassahy (BA), Cardozo fez uma apresentação "patética" na comissão. "Uma apresentação patética, alarmando o Congresso, tentando estabelecer um falso duelo entre uma presidente que está desenganada com essa Casa. Não tendo argumentação no campo jurídico, técnico e social, o ministro Cardozo, que conseguiu ser pior que o ministro [da Fazenda Nelson] Barbosa, e ameaçou judicializar o processo, recorrendo ao Supremo Tribunal Federal", criticou o líder tucano.

"O ministro da AGU veio contar história para boi dormir. Ele foge da realidade, não tem o mínimo de conteúdo e esquece do que está acontecendo com o país", reforçou o líder do PPS, deputado Rubens Bueno (PR).

Brasília - Parlamentares pró-governo se manifestam com cartazes durante sustentação oral do advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, na Comissão Especial do Impeachment, na Câmara (Valter Campanato/Agência Brasil)

Parlamentares pró-governo se manifestam com cartazes durante sustentação oral do advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, na Comissão Especial do Impeachment, na Câmara Valter Campanato/Agência Brasil

Para o deputado Fernando Francischini (SD-PR), membro da comissão especial que analisa o impeachment, Dilma cometeu crime de responsabilidade ao escalar o advogado-geral da União para fazer sua defesa. "Até na defesa ela cometeu crime usando bem público, funcionários públicos na sua defesa", alegou.

Para o parlamentar paranaense, no julgamento do impeachment, a convicção dos parlamentares se sobrepõe aos autos do processo. "Pode estar nos autos ou não, isso forma a convicção de cada deputado porque o julgamento aqui é político. Cada um faz o seu juízo de valor em cima da sua representação eleitoral. Por isso o julgamento é feito aqui e não no Supremo Tribunal Federal. Já entendemos que o país está em uma crise profunda, ela [Dilma] perdeu a credibilidade".

Base aliada

Para deputados da base aliada e contrários ao impeachment de Dilma, o ministro da Advocacia-Geral da União conseguiu desqualificar todo os pontos levantados contra a presidente. "A defesa foi bastante consistente. Acho que ele desmontou os argumentos e as premissas, que foi o motivo de vingança do presidente Eduardo Cunha. Ele desmoronou com a proposta. Agora, do ponto de vista de mudança, consciência e correlação de forças, isso não dá para dizer. Quero crer que o relator tenha ouvido os argumentos e leve-os em consideração", disse o líder do PSOL, Ivan Valente (SP).

"Espero que [a argumentação da defesa] pese na decisão, na medida em que cada deputado está escrevendo parte da história do país e aqui não estamos para ajustar contas políticas, essas se ajustam no processo eleitoral. Estamos aqui para analisar a Constituição e se houve ou não crime de responsabilidade. Como não houve, espero que os que se opõem ao governo se preparem para, eventualmente, ganhar eleições no futuro", afirmou o vice-líder do PT, Henrique Fontana.

O líder do PMDB, Leonardo Picciani (RJ), elogiou o trabalho feito por Cardozo e lembrou que o partido não fechou questão sobre a votação do impeachment. "O PMDB deliberou, em decisão do diretório nacional, sobre o afastamento administrativo do governo. A respeito do processo de impeachment não foi tratado e, portanto, nada foi decidido."

Picciani classificou de "invenção" a possibilidade de a votação do processo pelo plenário da Casa ocorrer em um final de semana. "A Câmara irá analisar dentro dos prazos que a legislação estabelece. Creio que esse é um tipo de processo que não admite invenções. Defenderei no colégio de líderes que as votações ocorram em dias úteis, de trabalho normal. Não há razão para invenções."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos