Conab revisa previsão e safra 2015/2016 deve chegar a 209 milhões toneladas

Na Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia são desenvolvidos estudos em plantas de soja transgênica capazes de produzir o fator IX, uma proteína responsável pela coagulação do sangue (Wilson Dias/Agência Brasil)

A redução verificada neste 7º Levantamento da Safra de Grãos da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) está ligada à produção de soja

(Wilson Dias/Agência Brasil)

A produção de grãos da safra 2015/2016 deve chegar a 209 milhões de toneladas - aumento de 0,6% (1,3 milhões de toneladas) em relação à safra 2014/2015, que alcançou 207,7 milhões de toneladas. Os números são do 7º Levantamento da Safra de Grãos da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), divulgado hoje (7). Houve redução, porém, de 0,6% em relação ao sexto levantamento, que previa uma safra de 210,3 milhões de toneladas de grãos. Mesmo assim, a safra será recorde. Segundo a Conab, a queda da previsão se deve a adversidades climáticas nas fases finais das culturas.

O diretor de Política Agrícola e Informações da Conab, João Marcelo Itini, explica que a redução verificada está ligada à produção de soja. "O desempenho da lavoura foi abaixo do que se imaginava em algumas regiões, parte por excesso hídrico na região centro-sul. E agora o desempenho vegetativo na safra na região do Matopiba [Maranhão, Tocantins, Piauí, Bahia] ainda está começando ou nem começou; o calendário está tardio, o deficit hídrico é evidente, então temos que adequar a produção a esse cenário", disse. A região de Matopiba é caracterizada pela expansão de uma fronteira agrícola baseada em tecnologias modernas de alta produtividade. A contribuição da região para a produção do país chega a 8%.

Marcelo Itini explica, entretanto, que a curva decrescente na produção era esperada e que a tendência de anos anteriores é que ela volte a crescer nos próximos levantamentos. "O espaço para fazer a verificação crescente dessa curva está no Matopiba, portanto vamos acompanhar o desempenho das lavouras lá porque essa contribuição de 8% é muito expressiva", disse.

Mudanças climáticas

O presidente da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Maurício Lopes, destacou que, à medida que o Brasil passou a fazer plantios durante todo o ano, o tema clima e agricultura ganhou mais relevância. "[Adotamos] modelo de agricultura mais resiliente para fazer frente as mudanças climáticas, que tendem a se acentuar."

Para Lopes, variedade de cultivares de ciclo curto e práticas de cultivo conservacionistas, como o plantio direto, ajudaram o Brasil a manter a produtividade. Ele destaca ainda os sistemas integrados. "Nós acreditamos que esse se tornará o paradigma da agricultura no Brasil no futuro, integrar sistemas, ter lavoura-pecuária ou lavoura-pecuária-floresta. É um caminho poderoso para o Brasil incorporar ao sistema produtivo as grandes área de pastos degradados que nós ainda temos", ressaltou.

O aumento da temperatura global, para o presidente da Embrapa, não significa a inviabilidade dos cultivos no Brasil, pois a ciência vem aprimorando os sistemas produtivos. "O Matopiba é um exemplo. O Cerrado do Matopiba não é mesmo Cerrado do Brasil central, ele já caminha na direção do Semiárido. A pesquisa está estudando aquela região com cuidado, para gerar informação e nos permitir desenvolver sistemas produtivos adaptados àqueles desafios. Isso só foi possível em função da ciência, de políticas pública e do empreendedorismo dos nossos produtores", disse Lopes.

Grãos

Segundo o levantamento da Conab, a produção de soja deve atingir 99 milhões de toneladas, 2,9 milhões a mais do que na safra anterior. O aumento foi possível por causa dos ganhos de área plantada de 3,2% ou 1 milhão de hectares.

Já o milho chegará a 84,7 milhões de toneladas, semelhante à produção de 2014/2015. A previsão para o milho primeira safra é de redução de 8,5% na produção, com estimativa de 27,5 milhões de toneladas, enquanto para o segunda safra a expectativa é de crescimento de 4,7%, devendo atingir 57,1 milhões e compensando a quebra do anterior.

Segundo a Conab, o feijão primeira safra recuperou a produtividade, o que deve se refletir em um aumento de 62,6 mil toneladas. A previsão é de um total de 1,2 milhão de toneladas contra 1,1 milhão da última safra, apesar da queda de 3,8% na área plantada, que deve alcançar 1 milhão de hectares.

No caso do arroz, há expectativa de queda de 10,2% na produção, em razão de uma área menor de plantio e a adversidades climáticas no Sul do país. As 12,4 milhões de toneladas de 2014/2015 caíram para 11,2 milhões nesta safra.

A área plantada prevista é 58,5 milhões de hectares. O espaço ocupado pelas principais culturas é 0,8% maior que o da safra 2014/2015, um aumento de 464,4 mil hectares sobre as 57,9 milhões anteriores. A soja é a cultura que garante mais de 56% da área cultivada do país.

A pesquisa da Conab foi realizada entre os dias 13 e 19 de março.

IBGE

Nesta quinta-feira, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) também divulgou a estimativa para a safra de grãos. De acordo com a entidade, serão colhidos 210 milhões de toneladas, resultado 0,2% superior ao de 2015. A diferença entre os dados divulgados pelo IBGE e pela Conab se deve aos períodos avaliados. O instituto analisa a colheita de janeiro a dezembro, enquanto a Conab se baseia no ano-safra, que vai de agosto a julho do ano seguinte.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos