Wagner sugere que Temer renuncie caso impeachment seja derrotado na Câmara

O ministro-chefe do Gabinete Pessoal da Presidência da República, Jaques Wagner, disse que, após o vazamento do áudio em que o vice-presidente Michel Temer fala como se o processo de impeachment já tivesse sido aprovado pela Câmara dos Deputados, só restaria a ele renunciar, caso os deputados não deem prosseguimento à denúncia.

De acordo com Wagner, Michel Temer se precipitou ao fazer a gravação, e teria intenção de vazar propositalmente a mensagem de voz. "[Temer] macula sua própria história, rasga a fantasia e assume papel que antes poderia estar escondido, de patrocinador do golpe. Não me consta que ele tenha bola de cristal. [Na] votação de domingo,
ele pode ficar desmentido e um pouco sem saída. Uma vez desmentido, só restaria renúncia", afirmou Wagner.

O ministro conversou com jornalistas após a comissão especial do impeachment na Câmara aprovar, por 38 votos a 27, o relatório favorável ao afastamento da presidenta Dilma Rousseff. Segundo Wagner,  "depois de assumir a conspiração,  uma vez derrotada  [a conspiração], vai ficar um clima insustentável".

No áudio, classificado por Temer como mensagem de "palavra preliminar à Nação brasileira", o vice-presidente diz que precisa estar preparado para, caso os senadores decidam a favor do impeachment, enfrentar os "graves problemas que afligem" o Brasil, mas lembra que a decisão do Senado deve ser aguardada e respeitada. No comunicado, ele pede a pacificação do país, diz que é preciso um governo de "salvação nacional", com colaboração de todos os partidos para sair da crise, e defende apoio à iniciativa privada como forma de gerar investimentos e confiança no Brasil.

Jaques Wagner disse que a presidenta Dilma Rousseff ficou "perplexa" com o áudio, assim como os demais representantes do governo, já que, nas palavras dele [Wagner], Temer é um "companheiro de chapa que nunca disse sequer que rompeu com o governo". Para o ministro, o vice-presidente deveria no "mínimo, ter a grandeza ou a inteligência" de Itamar Franco, que assumiu a Presidência como "consequência" do impeachment de Collor, em 1992.

"Assim como a carta, na minha opinião não foi vazamento. Na minha opinião, alguém, algum assessor dele, que eu não sei quem é, imaginou que isso poderia criar um espírito do 'Já ganhou', e portanto, ser passado assim. Tanto que ele diz que enviou equivocadamente. Não fica muito bem para o vice-presidente da República que pretende ser presidente indireto dizer que se equivocou", disse Wagner. O ministro afirmou ainda que, com o fato, Temer "conseguiu o que pode ser o tiro de misericórdia no processo do impeachment".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos