Mulheres vão à rua no Recife protestar contra o impeachment de Dilma

Mulheres integrantes de diversos movimentos sociais protestaram hoje (13) à noite, Na Praça do Diário,  centro do Recife, contra o  impeachment da presidenta Dilma Rousseff (PT), que será votado no plenário da Câmara dos Deputados no domingo (17).  Ao som de coco e maracatu, as participantes também cobraram avanços em pautas feministas, como o combate efetivo à violência de gênero.

A manifestação foi organizada pelo comitê Mulheres pela Democracia, lançado nesta quarta-feira. O movimento reúne cerca de 20 organizações de mulheres de várias áreas, como sindicatos, coletivos feministas e Organizações Não Governamentais (ONGs). Um manifesto assinado por todas as entidades participantes foi lido no local.

Além de argumentarem que não existem subsídios legais para legitimar o processo de impeachment, as manifestantes afirmam que, caso Dilma Rousseff sofra o impedimento, a Presidência da República vai ser ocupada por um grupo que ameaça direitos da população feminina. É o que diz uma das organizadoras, Ingrid Farias, 27.

"Diante desse processo, as mulheres são as mais vulnerabilizadas e, mais uma vez, tendem a pagar os prejuízos que esse golpe vem trazer. Todos os projetos que estão na Câmara hoje e são fundamentalistas e atingem as mulheres", protesta Ingrid..

Ingrid ressalta, no entanto, que não está satisfeita com a gestão de Dilma Rousseff: "Esse governo, em nenhuma medida, avançou no processo de direitos das mulheres. As mulheres estão na rua não só para impedir o golpe, mas exigindo que a Dilma dê uma guinada à esquerda",

Como o ato foi divulgado pelas redes sociais, algumas mulheres que não eram ligadas a movimentos foram atraídas pela causa. A médica e professora universitária aposentada Carmen Chaves, 72, foi uma delas. Ela conta que lutou contra a ditadura junto ao movimento estudantil e, anos depois, participou dos atos pela redemocratização do Brasil. Agora, vai para a rua novamente: "Todos os valores morais e éticos estão invertidos no país. Uma pessoa que é acusada de corrupção liderando um processo de impeachment contra alguém que não é acusada de crimes".

De acordo com a organização do ato, Pernambuco é o quinto estado a formar o comitê Mulheres pela Democracia. Mulheres do Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul e São Paulo também realizaram seus atos, o que as inspirou a criar o movimento lançado nesta quarta-feira.


 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos