Ato na Esplanada dos Ministérios pede mais diálogo para superar crise política

Heloisa Cristaldo - Repórter da Agência Brasil

 

Brasília - Estrutura de aço que divide o gramado da Esplanada recebe cartazes e pichações com mensagens (Antonio Cruz/Agência Brasil)

Estrutura de aço que divide o gramado da Esplanada dos Ministérios recebe cartazes e pichações com mensagens de diálogo                        Antonio Cruz/Agência Brasil

O muro erguido na Esplanada dos Ministérios para evitar confrontos entre manifestantes favoráveis e contrários ao pedido de impeachment da presidenta Dilma Rousseff foi mais uma vez alvo de críticas hoje (15). Intitulado Mais Pontes, Menos Muros, o ato defendeu o diálogo pacífico para superação da crise política no país.

"Tem uma questão de segurança, mas há um simbolismo muito forte nessa questão de separação da sociedade", argumenta a servidora pública Neusa Helena Barbosa, 54. "Essa polarização incomoda, porque você não necessariamente está de um lado ou de outro. Há uma agressividade muito grande em relação a esses dois campos. Existe um grande número de pessoas que não se reconhece nessa polarização que vem sendo construída há muito tempo", completa.

De acordo com o organizador do evento, Eduardo Rombauer, 36, ativista do Movimento Vem para Roda, a iniciativa é apartidária e autogestionada. Os participantes foram mobilizados por redes sociais e grupos de Whatsapp. Com número reduzido de participantes, a Polícia Militar do Distrito Federal não contabilizou oficialmente a quantidade de pessoas presentes ao ato.

"Esses discursos que hoje regem a polarização são falsos. Ambos são cheios de mentiras. Não é golpe, mas o PT também não é a corrupção. Muita gente que vai estar nos atos de amanhã e depois não quer essa polarização. A nossa posição é que as pessoas que não estão nem de um lado nem do outro, estão sendo coagidas a se posicionar. Quem não está de um lado é atacado, então a gente é obrigado a se calar", afirma.

Com dois metros de altura e um quilômetro de comprimento, o muro está posicionado no meio de um corredor de 80 metros de largura onde ficarão os policiais. Os manifestantes contrários ao impeachment ficarão do lado norte, do mesmo lado do Teatro Nacional, e os favoráveis ao impeachment ficarão do lado da catedral.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública e Paz Social do Distrito Federal (SSP-DF), a colocação do alambrado é para impedir a visibilidade e o contato entre os grupos contrários e reduzir a chance de provocações e embates.

Boletim divulgados pela SSP-DF, no início da noite, apontou a participação de aproximadamente mil pessoas em ato contra o impeachment da presidenta Dilma Rousseff, no estacionamento do Ginásio Nilson Nelson. Cerca de 200 pessoas participaram de ato a favor do impedimento, na Esplanada dos Ministérios. Até o momento, nenhuma ocorrência foi registrada.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos