Posicionamento pelo impeachment abre votação na Câmara

Carolina Gonçalves e Karine Melo - Repórteres da Agência Brasil

Com 505 deputados presentes em plenário, a Câmara dos Deputados abriu a votação do pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff. O primeiro deputado a votar seria Abel Mesquita Jr (DEM-RR), conhecido como Abel Galinha, que já tinha se declarado favorável ao processo confirmou sua posição, dando o segundo voto a favor do andamento do processo. Como Washington Reis (PMDB-RJ) estava doente, ele teve prioridade e deu o primeiro também votou a favor.

O quórum está favorável pelo impeachment até o momento.

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), explicou que fará a segunda chamada imediatamente depois da primeira. Se o parlamentar não estiver presente não poderá mais se manifestar. Conforme determinação do Supremo Tribunal Federal (STF), em sessão na última sexta-feira (15), a votação seguirá conforme o regimento interno da Câmara com chamada alternada de deputados da Região Norte para a Sul .

Em cada estado, ela será nominal por ordem alfabética. O último a votar será o deputado Ronaldo Lessa (PDT-AL). O PDT fechou questão no apoio a presidenta Dilma e já anunciou que irá expulsar da sigla os infiéis.

Durante quase três horas, lideranças se revezaram para orientar suas bancadas para a votação. Os partidos tiveram entre 10 e três minutos para manifestar o posicionamento unânime ou não das bancadas. As discussões em torno do parecer do deputado Jovair Arantes (PTB-GO) começaram na última sexta-feira (15).

Bancadas

A primeira bancada a votar o pedido de impeachment da presidenta Dilma foi a de Roraima, que deu oito votos favoráveis e um contra o processo. Agora, votam os deputados do Rio Grande do Sul, seguido por Santa Catarina.

Apesar da ordem determinada, o primeiro deputado a votar foi Washington Reis (PMDB-RJ), que estava doente, e teve prioridade na votação, dando o primeiro aval à continuidade do processo. Entre os votos contrários, estavam o do vice-líder do PT, Henrique Fontana, que afirmou votar contra "o golpe de Cunha". Do outro lado, José Fogaça (PMDB) foi um dos votos favoráveis. "Para que o Brasil tenha responsabilidade e sabedoria coletiva para enfrentar os momentos que virão", declarou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos