Vacinação contra gripe inicia com filas no DF; idosos só a partir do dia 30

Paula Laboissière - Repórter da Agência Brasil

São Paulo - Profissionais de Saúde são vacinados contra a gripe H1N1 no Hospital das Clínicas (Rovena Rosa/Agência Brasil)

Vacina contra a gripe H1N1 Rovena Rosa/Agência Brasil

O contador Alcidino Paulino de Aguiar, 81 anos, acordou cedo hoje (18) para se vacinar contra a gripe. Descobriu, na porta do posto de saúde, que não poderia receber a dose agora. "Vim a pé e, quando fui procurar a atendente, ela me explicou que, para idosos, a imunização só será feita a partir do dia 30. Assim sendo, vou ter que voltar. Para mim não é tão ruim. Pior é pra quem vem de longe, pega ônibus e chega aqui pra ouvir isso", disse.

A notícia de que a imunização havia sido antecipada para esta semana no Distrito Federal parece ter chegado à população de maneira meio truncada, já que nem todos os grupos de risco serão vacinados neste primeiro momento - apenas grávidas, crianças com idade entre 6 meses e menores de 5 anos, mulheres com até 45 dias após o parto e trabalhadores da saúde de rede pública e particular. Idosos e pessoas com doenças crônicas, por exemplo, terão de esperar até o dia 30.

A psicóloga Rosarita Bueno, 58 anos, também procurou o Centro de Saúde nº 1 para imunizar o marido de 76 anos. "Não sabia que, nesta primeira fase, não haveria vacinação para idosos. Meu esposo vai viajar para pescar e deve passar uns 20 dias fora da cidade. O ideal era ele já ir protegido contra a gripe, mas isso não vai acontecer. Vou repassar a informação para alguns dos nossos amigos, para que as pessoas não procurem o posto na data errada".

O gerente da unidade de saúde, Luiz Henrique Rodrigues, acredita que a divulgação da antecipação da campanha foi feita de forma confusa, já que, em muitos casos, não ficou claro que esta primeira etapa não contempla todos os grupos considerados prioritários. "A gente sente muito que os idosos, por exemplo, estejam vindo aqui e que ainda não possam ser vacinados", disse à equipe de reportagem.

No Centro de Saúde nº 13, o principal problema era o tempo de espera para receber a dose - duas horas, em média. A maioria das pessoas que compareceram ao local já no primeiro dia da campanha era composta por grávidas, bebês e crianças, todos disputando um espaço à sombra. Mais à frente, uma mãe se ajeitava como podia para amamentar o filho, em pé mesmo, sem perder o lugar na fila. A dona de casa Lídia Cerutti, 58 anos, conseguiu vacinar a neta depois de muita espera.

"Cheguei com a Beatriz aqui por volta das 9h. Ficamos duas horas na fila e saímos pouco depois das 11h. Na hora de receber a picada, ela chorou bastante, mas valeu a pena. Pelo menos ela está protegida contra a doença. Achei que fosse demorar bem menos tempo, mas parece que todo mundo resolveu aparecer logo nas primeiras horas do primeiro dia de campanha", contou.

A administradora Letícia Simões Assunção, 36 anos, passou pelo mesmo posto para conferir o tempo de espera e se surpreendeu com o tamanho da fila. "Já tomei a dose particular, mas preciso vacinar minha filha, de 2 anos. Com esse tempo médio de espera, acho que volto amanhã (19) cedo e tento de novo. Vou tentar chegar antes das 7h. Ou procuro outro local pra tentar imunizá-la", disse.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos