Transexuais e idosos levam mensagens para conferências de direitos humanos

Carolina Gonçalves - Repórter da Agência Brasil

Enquanto dezenas de ônibus se revezavam no início da tarde em frente ao Centro Internacional de Convenções do Brasil, em Brasília - local escolhido para sediar conferências conjuntas de direitos humanos -, milhares de pessoas se organizavam em filas que davam voltas no prédio. Nas mãos, pessoas de todos os estados do país trazem bagagens de diversos tamanhos que são depositadas em um balcão criado para facilitar a participação nos debates. No rosto, paulistas, cariocas, capixabas, mineiros estampam a expectativa de conseguir dar voz às propostas prioritárias para grupos que buscam mais cidadania.

Os debates, convocados por meio de decreto publicado em novembro de 2015, vão reunir até sexta-feira (29) em um único espaço cinco conferências temáticas: a 12ª Conferência Nacional de Direitos Humanos, a 10ª Conferência Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, a 4ª Conferência Nacional dos Direitos da Pessoa Idosa, a 4ª Conferência Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência e a 3ª Conferência Nacional de Políticas Públicas de Direitos Humanos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais. As discussões deveriam ter começado às 17h, mas as pessoas ainda estão fazendo credenciamento.

De São Paulo, as transexuais Alessandra Lopes e Deenynha Dias trazem exemplos de boas políticas que garantiram um pouco de tranquilidade à comunidade LGBT no estado, mas também fazem um alerta: "Em São Paulo, até estamos bem amparadas, mas vemos um risco grande de retrocesso no nível federal, com, por exemplo, o aumento da bancada evangélica [nos Legislativos locais e federal]", disse Alessandra, que é empresária e integrante do Conselho da Diversidade Sexual da Ordem dos Advogados do Brasil de Osasco/SP. Uma das mudanças que defende é a criminalização da transfobia. "A homofobia não nos contempla. Ano passado, foram mais de mil mortes e este ano já temos 200 mortes registradas", completou a amiga Deenynha que é cabeleireira na capital paulista.

Entre os grupos mais animados e dispostos ao debate, o das idosas do Espírito Santo se sobressaia. Perguntadas sobre a expectativa em relação à conferência, todas falavam quase ao mesmo tempo sobre as dificuldades enfrentadas por suas faixas etárias, mas foi Ana Maria Pimenta, vice-presidente do Conselho Municipal de Defesa dos Direitos do Idoso na Cidade de Piúma quem resumiu: "Os idosos não podem passar 6 meses ou mais esperando um remédio ou aguardando na fila de uma cirurgia. Não temos saúde nem lazer", reclamou. Em Piúma, por exemplo, o colegiado da sociedade civil para debater essas políticas só foi criado há pouco mais de um ano.

Na maior fila do evento, estavam os cadeirantes. Carioca, o desenhista Jocélio de Oliveira foi quem deu voz ao grupo. Ele lembrou que qualquer brasileiro enfrenta atualmente problemas em acessar direitos básicos, mas disse que as pessoas com deficiência têm um agravante: "Os governos parecem que não veem a pessoa com deficiência como um cidadão. Temos dificuldades em áreas como educação, saúde e transporte público. A gente está aqui em busca do reconhecimento desses direitos".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos