Manifestantes contra impeachment bloqueiam estradas em Pernambuco

Sumaia Villela - Correspondente da Agência Brasil

Manifestações contra impeachment fecham estradas em Pernambuco

Manifestantes bloqueiam a estrada de Curcuarana, acesso alternativo ao Porto de SuapeArquivo/Frente Brasil Popular

Em dia de mobilização contra o impeachment da presidenta Dilma Rousseff (PT), Pernambuco amanheceu com vários bloqueios de estradas feitos por sindicatos e movimentos sociais que participam da Frente Brasil Popular. Algumas categorias paralisaram atividades. No Recife, o metrô fechou a partir de 9h, e só volta a funcionar no fim da tarde.

O principal bloqueio foi o da BR-101, em Jaboatão dos Guararapes, próximo à fábrica da Vitarella. Sindicatos da área industrial, representantes dos petroleiros, químicos e da borracha se juntaram a movimentos sociais, como o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), para obstruir os dois sentidos da via e, assim, dificultar o acesso ao Porto de Suape, um dos escoadouros da produção nacional. Uma via menor, a estrada de Curcurana, também foi bloqueada para evitar a chegada ao porto.

Pneus, fogo e madeira foram usados para impedir a passagem nas rodovias. As faixas mostravam mensagens contra o que a Frente Brasil Popular chama de golpe, já que, na posição deles, não há base jurídica para o afastamento da presidenta. As placas criticavam possíveis perdas de direitos trabalhistas e projetos sociais caso o vice-presidente Michel Temer (PMDB) ocupe o lugar de Dilma.

Manifestações contra impeachment bloqueiam estradas em Pernambuco

Pneus, fogo e madeira foram usados para impedir a passagem nas rodovias Arquivo/Frente Brasil Popular

Os protestos começaram no amanhecer e foram até 10h, aproximadamente. A Polícia Militar (PM) usou bombas de efeito moral e gás de pimenta no ato para dispersar os manifestantes, segundo trabalhadores presentes. "Já estávamos saindo, não havia a necessidade disso", disse Luiz Lourenzon, diretor do departamento jurídico do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria do Petróleo de Pernambuco e Paraíba (Sindipetro-PE/PB).

De acordo com Jaime Amorim, da direção estadual do MST, foram fechados pontos na BR-101, em Goiana; na BR-232, e na altura de Pesqueira, km 200. Já o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) bloqueou a BR-232 em Caruaru, segundo Marcos Cosmo, coordenador nacional da organização.

Categorias paradas

Também ocorreram paralisações de segmentos dos trabalhadores, em Pernambuco. Os metroviários do Recife pararam por decisão tomada em assembleia. "A categoria, seguindo orientação da Central dos Trabalhadores, adere a esse movimento contra o impeachment da presidenta Dilma Rousseff. A gente entende que é um processo danoso para a sociedade, um golpe", afirmou o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Metroviárias e Conexos do Estado de Pernambuco (Sindmetro-PE), Diogo Morais, que representa cerca de 2 mil funcionários públicos da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU)

Na convocação para a assembleia, realizada na sexta-feira (6), um trecho do texto diz que "os ataques contra os funcionários públicos e a classe trabalhadora de modo geral, vão se aprofundar se o projeto privatista e liberal do PMDB e seus aliados for implantado. Ataques contra direitos como o 13º salário minimo, entrega do metrô aos empreiteiros e o fim dos concursos públicos".

Com isso, o metrô da capital pernambucana permanecerá fechado em boa parte do dia de hoje. Para garantir o funcionamento do metrô, pelo menos em horários de maior movimento, a assessoria de imprensa da CBTU em Pernambuco informou que funcionários com cargo de confiança foram escalados para se juntar a quem não aderiu e operar de 5h às 9h e de 16h às 20h.

O Sindicato dos Bancários de Pernambuco concentrou as atividades nas agências bancárias da Avenida Conde da Boa Vista - uma das principais do Recife. Todo o atendimento foi paralisado, e a previsão é que dure até meio-dia, voltando a funcionar normalmente depois. De acordo com Ronaldo Coredeiro, diretor de bancos privados do sindicato, eles foram para a porta dos bancos a fim de explicar à população o motivo da mobilização. "É contra o golpe e a ponte do futuro de Temer. Ele prevê terceirização, e os bancários não aceitam isso", disse.

Segundo Carlos Veras, presidente estadual da Central Única dos Trabalhadores (CUT), ainda não há um balanço preciso da paralisação, mas ele acrescentou que servidores públicos de esfera municipal, estadual e federal aderiram, além de alguns segmentos de rodoviários, que atrasaram a saída de ônibus da garagem.

Todas as categorias devem se reunir às 16h para um ato na Praça do Derby, onde está o acampamento da Frente Brasil Popular contra o impeachment. Os acampados desocupam o local ainda nesta terça-feira. Atos no interior de Pernambuco também estão previstos, como em Caruaru e Petrolina.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos