Dividida, Avenida Paulista tem protesto contra e comemoração pelo impeachment

Bruno Bocchini - Repórter da Agência Brasil

Divididos pela Polícia Militar, manifestantes contra e a favor do impeachment da presidenta da República, Dilma Rousseff, ocupam as vias da Avenida Paulista em dois pontos distintos enquanto o Senado Federal continua discutindo na noite desta quarta-feira (11) a admissibilidade ou não do processo de impedimento.

 

Os grupos bloqueiam o tráfego de carros nas quatro pistas no sentido bairro. Na altura do Museu de Arte de São Paulo (Masp), concentram-se os manifestantes que protestam contra a interrupção do mandato da presidenta. Em frente à sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), estão os que comemoram o iminente afastamento de Dilma.

O grupo contra o impeachment  distribuiu velas no chão da avenida em uma sequência formando a palavra "luta". Eles gritavam palavras de ordem contra o impedimento da presidenta, entre elas "coxinha, aceita, Dilma reeleita", e o "não vai ter golpe". Eles também protestavam contra um governo de Michel Temer, chamado-o de "traidor".

Golpe midiático

"Isso é um golpe orquestrado por conservadores reacionários, políticos da pior espécie que compõem o Congresso Nacional e nosso Senado. A população vai resistir e vai continuar nas ruas, e o governo Temer não vai continuar. A gente vai fazer oposição firme e dura", afirmou Marcelo Tavares.

"Não espero nada do governo Temer. Espero corrupção, o pior tipo de governo possível. Espero confisco de direitos sociais, nada de bom. Isso já está anunciado", completou.

Os manifestantes contra o impeachment chegaram a interromper todas as oito faixas da avenida, mas recuaram e, após alguns minutos, voltaram o ocupar as quatro pistas do sentido bairro. Não havia nenhum telão ou carro de som, apenas alguns instrumentos de uma bateria. O policiamento calculou que havia cerca de 300 pessoas presentes.

"O que está ocorrendo uma palhaçada, um golpe de estado, um golpe midiático, um golpe empresarial. A partir de agora, continuam as manifestações sem parar, todo dia. Vai ter protesto, vai ter trancaço, vai ter tudo que você possa imaginar. Não vai ter governo Temer, disse a militante Amanda Lordello.

Comemoração

Em frente ao prédio da Fiesp, os manifestantes, cerca de 300 também, comemoravam o iminente afastamento da presidenta Dilma. Um grande caminhão de som, com um grupo de samba, animava o ato, que deverá prosseguir durante a noite e até o fm da votação do Senado Federal.

"O dia de hoje representa para mim o renascimento do Brasil. O país que a gente sempre quis, que foi roubado e que agora está sendo devolvido. A sensação de alívio é muito grande. Quero meu país de volta. Vai ser duro, vai ser difícil, vai demorar, mas não importa. A gente quer um país justo para todo mundo. Queria que meu pai estivesse vivo para ver isso aqui", informou Keila Pitta.

"Queremos o Brasil como era antes, sem roubalheira, sem corrupção. Espero que o Temer faça a coisa certa, que faça os ajustes que precisam ser feitos e que a economia volte a andar. Que ele faça o país andar", acrescentou.

Julgamento

Os manifestantes inflaram bonecos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e de Dilma com roupas de prisioneiros. Cartazes pediam a prisão de ambos. "Depois do impeachment virá a cadeia", dizia um deles. Parte dos manifestantes, no entanto, não considerava que o momento significava uma vitória completa.

"O dia de hoje representa o segundo grande passo depois da aprovação pela Câmara. Não está terminado. Nossa luta ainda vai ser longa. Ainda tem de ter o julgamento. Agora vamos passar por um período complicado, um governo que o PT vai combater. A governabilidade do governo Temer será hiper complicada", disse o manifestante Lauro Shida.

"Pelo menos sem o governo do PT, vamos escapar desse projeto de ditadura, esse projeto de poder. Já é um grande passo. Teremos a possibilidade agora, se o PMDB não fizer um bom governo, de derrubar. E ele já vai começar recebendo muitas críticas, porque foi o partido que apoiou o PT em tudo que eles fizeram. Foram os fiadores de tudo que o PT fez", concluiu.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos