Senado: 25 senadores defenderam impeachment e seis foram contra

Mariana Jungmann - Repórter da Agência Brasil

O Plenário do Senado ouviu, até o momento, 31 senadores discursarem sobre a admissibilidade do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff.  Desses, apenas seis se manifestaram contrário ao relatório do senador Antonio Anatasia (PSDB-MG), que é favorável à continuidade do processo e ao afastamento imediato de Dilma e 25 se manifestaram favoráveis ao relatório. No total, 69 senadores vão discursar sobre o tema.

Brasília - Votação do processo de impeachment de Dilma Rousseff no plenário do Senado. Na foto, senador Aécio Neves (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Aécio Neves (PSDB-MG) foi um dos que subiu à tribuna para falar a favor do relatórioFabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Aécio Neves (PSDB-MG) foi um dos que subiu à tribuna para falar a favor do relatório e lembrou fatos da campanha eleitoral de 2014 ao defender, hoje (11), o impeachment da presidenta Dilma Rousseff. O senador mineiro citou os últimos debates eleitorais para alegar que a presidenta ignorou os alertas sobre os erros cometidos na política econômica e fiscal.

"Tentamos, em todos os instantes, estabelecer um debate altivo e republicano para que pudéssemos encontrar saídas em favor do povo brasileiro e para a superação da nossa grave crise que já se anunciava. Falava de queda do PIB, éramos derrotistas, temerários, terroristas; falava da ameaça ao emprego, não conhecíamos o Brasil; falava da intervenção absurda no setor elétrico, éramos os pessimistas de sempre torcendo contra o Brasil", disse.

Na opinião do senador, Dilma apostou nestas respostas para fugir do debate sobre as contas públicas e sobre o uso do Tesouro Nacional a favor de sua reeleição. "O ano de 2014 não está sendo discutido neste instante, mas seria como retirar o ar que nós respiramos, deixar de trazer a história como ela é. Foi lá trás, com irresponsabilidade com a sensação absoluta de impunidade, de que estava este governo acima da lei e da ordem, que foram tomadas medidas atentatórias à estabilidade da economia e à melhoria da qualidade de vida dos brasileiros", disse.

Aécio também elogiou o relatório do senador Antonio Anastasia (PSDB-MG), favorável à admissibilidade do processo contra a presidenta. Para o senador, Anastasia produziu uma "histórica peça jurídica e política". "Que dá a todos nós o conforto necessário para tomarmos uma decisão dessa grandeza, dessa dimensão e dessas consequências".

"Monumental asneira"

Um dos que defendeu a presidenta foi o senador Roberto Requião (PMDB-PR), que chamou o processo de "monumental asneira". Requião disse que se sente frustrado com Dilma por ela não ter cumprido suas promessas de campanha e sim um programa idêntico ao do PSDB, mas convencido de que a melhor saída não é o impeachment. "Então, estamos diante de um impasse. Mas esse impasse pode ser resolvido por um processo de impedimento sem base legal? Pela quebra de democracia? A mim me parece que não", disse.

Para o senador paranaense é um erro acreditar que a melhor saída para a crise econômica vivida pelo país é adotar maior liberalismo econômico porque isso teria sido o fator provocador da intensa crise européia. Requião considerou ainda que está enganado quem pensa que Michel Temer assumirá para adotar esse tipo de política de forma radical.

"O Michel Temer é um conciliador, foi presidente da Câmara por três vezes. Não é um radical, embora as propostas que tenham sido colocadas até o momento sejam radicais para encantar o mercado", disse.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos