Teori pede redistribuição dos pedidos abertura de inquérito contra Aécio e Cunha

Ivan Richard - Repórter da Agência Brasil

O ministro Teori Zavascki, relator dos processos relativos à Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), pediu à Presidência da Corte a redistribuição dos pedidos de abertura de inquérito contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e o presidente afastado da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Em despacho, Teori disse não ver "relação de pertinência imediata" da representação criminal apresentada pela Procuradoria-Geral da República contra Aécio e Cunha, apesar de os indícios contra os dois parlamentares terem surgido em meio às investigações da Lava Jato.

Conforme manifestação do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao STF no pedido de abertura de inquérito contra Aécio, além das acusações contra o tucano feitas pelo doleiro Alberto Yousseff em delação premiada, surgiram "fatos novos" a partir da delação do senador cassado Delcídio do Amaral.

Em delação homologada pelo STF, Youssef disse, primeiramente, que o PSDB, por intermédio do senador Aécio Neves, "possuía influência" em uma diretoria de Furnas, juntamente com o PP, e havia o pagamento de valores de empresas contratadas.

Em segundo depoimento, o doleiro declarou que o PSDB, por meio de Aécio Neves, "dividiria uma diretoria em Furnas" com o PP, por meio de José Janene. Youssef disse ainda que Aécio também "teria recebido valores mensais", por meio de sua irmã, de uma das empresas contratadas por Furnas, a Bauruense, no período entre os anos de 1994 e 2000/2001.

Arquivamento

Em um primeiro momento, Janot pediu arquivamento das denúncias contra Aécio por "inexistência de elementos" que "corroborassem" as declarações de Youssef". Contudo, com a delação de Delcídio, segundo Janot, surgiram novos elementos que indicam, "com maior robustez", suposta prática de crimes, "os quais seriam justificadores do aprofundamento das investigações". Janot, inclusive, requer juntada de documentos e realização de diligências.

Em relação a Eduardo Cunha, o procurador-geral da República sustenta que, a partir da delação de Delcídio, há indícios da prática de corrupção passiva qualificada e de lavagem de dinheiro relacionada a participação do peemedebista em fraudes de contratos de Furnas.

Por meio de sua assessoria de imprensa, Aécio disse estar convicto de que as investigações comprovarão a falsidade das citações feitas e considerou natural e necessário que investigações sejam feitas e que demonstrarão a correção da conduta dele. Até o momento, a reportagem não conseguiu contato com a assessoria do deputado Eduardo Cunha.


 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos