Cardozo reafirma que Dilma não cometeu crime de responsabilidade

Ivan Richard - Repórter da Agência Brasil

Brasília - O advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, fala sobre a anulação da votação do processo de impeachment de Dilma Rousseff na Câmara (Jose Cruz/Agência Brasil)

Brasília - O advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, fala na sessão do Senado que aprovou a asmissibilidade do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff José Cruz/Agência Brasil

Na última tentativa de convencer os senadores a rejeitarem a admissibilidade do processo de impeachment e o afastamento por 180 dias da presidenta Dilma Rousseff, o advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, reafirmou que não há crime de responsabilidade.

"No presidencialismo se exigem pressupostos jurídicos que permitam que um governo legitimamente eleito tenha seu mandato extinto. Somente quando os pressupostos se configuram é que se pode afirmar o juízo político acerca da conveniência e ou da inconveniência da permanência do chefe do Executivo", disse Cardozo.

Para o ministro, responsável  pela defesa da presidenta, a aprovação da admissibilidade representa um "golpe".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos