Campanha presidencial nos EUA está na mira de ciberataques, diz coordenador

Da Agência Lusa

As campanhas dos possíveis candidatos às eleições presidenciais nos Estados Unidos são atualmente alvo de ciberataques. A afirmação é do coordenador dos serviços secretos norte-americanos, James Clapper, que admitiu, durante uma conferência sobre cibersegurança em Washington, a intensificação deste tipo de ações com o progredir da campanha.

Sem dar detalhe sobre a origem dos ataques ataques, Clapper disse que este tipo de ameaça "provavelmente" vai ocorrer com mais frequência à medida em que a campanha progrida e fique mais intensa.

Segundo o coordenador, o Departamento de Segurança Interna e a polícia federal norte-americana (FBI) fazem o que podem para informar aos dois grandes partidos em campanha - Republicano e Democrata - "sobre as possíveis ameaças cibernéticas".

James Clapper disse que, durante a campanha para as eleições que ocorrem no dia 8 de novembro, os dois principais candidatos - Donald Trump, o único nome e o mais provável candidato do partido republicano; e Hillary Clinton, atualmente a candidata mais votada para a nomeação democrata; - receberão as mesmas informações.

"Vamos informar [os candidatos] sobre a nossa análise de ameaças no mundo e vamos fazer isso de forma igual", disse James Clapper.

Tradicionalmente, os serviços de informações norte-americanos começam a informar os candidatos à presidência sobre ameaças que pesam sobre os Estados Unidos a partir do momento em que estes são oficialmente designados pelos respectivos partidos.

Alguns analistas têm manifestado preocupação sobre a transmissão de informações mais sensíveis a Trump, que sugeriu, entre outras medidas, fechar as fronteiras norte-americanas a todos os muçulmanos. O provável candidato presidencial republicano, o multibilionário Donald Trump, é conhecido por fazer declarações polêmicas e imprudentes.

Para outros, estes briefings podem ser uma oportunidade para o multibilionário ver o impacto de algumas das suas declarações na opinião internacional.

James Clapper esclareceu que estas apresentações "não são feitas para influenciar a visão do mundo" dos candidatos, frisando ainda que os candidatos não têm acesso à mesma informação detalhada que é transmitida ao Presidente do país.

Isso só irá acontecer após a eleição, no período entre o escrutínio e a tomada de posse efetiva, segundo Clapper, que coordena as 17 agências norte-americanas de serviços de informações.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos