Operação Janus: Polícia Federal investiga pessoas ligadas a Lula e Odebrecht

Pedro Peduzzi - Repórter da Agência Brasil

A Operação Janus, deflagrada pela Polícia Federal hoje (20) e o Ministério Público Federal (MPF), apura contratos relacionados à Construtora Odebrecht e investiga pessoas ligadas ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Foram cumpridos mandados de busca e apreensão e de condução coercitiva na cidade de Santos (SP). Como a investigação é sigilosa, os nomes dos alvos da operação - duas pessoas físicas e duas jurídicas - não foram divulgados, segundo o MPF. O ministério também informou que Lula não foi alvo das diligências nesta sexta-feira, apesar de ser citado no inquérito. De acordo com a Superintendência da Polícia Federal no Distrito Federal, os depoimentos previstos ocorreram no Rio de Janeiro e já foram encerrados. 

O MPF informou, em nota, que a operação é referente "à investigação que apura se o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva praticou tráfico internacional de influência em favor da Construtora Odebrecht".

Em maio de 2015, a Procuradoria da República no Distrito Federal deu início à apuração "se o ex-presidente recebeu vantagens econômicas indevidas para influenciar agentes públicos estrangeiros notadamente na República Dominicana, Cuba e Angola, além de facilitar ou agilizar o trâmite de procedimentos de financiamentos de interesse das empresas do grupo Odebrecht junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES)".

Os procuradores investigam também suspeitas de irregularidades em outros financiamentos concedidos pelo banco ao conglomerado Odebrecht para obras no exterior, inclusive de empréstimos destinados à construção do Porto de Mariel, em Cuba, do Metrô de Caracas, na Venezuela e algumas obras no Panamá. As investigações do MPF são conduzidas pelos procuradores Francisco Guilherme Bastos, Ivan Cláudio Marx e Luciana Loureiro.

O juiz da 10ª Vara Federal Vallisney Souza de Oliveira autorizou, a pedido do MPF, a quebra de sigilos bancários, fiscais e de dados telemáticos de nove envolvidos, tendo por base "fortes indícios de irregularidades e de condutas, em tese delituosas, no sentido de, no mínimo, dissimular e ocultar valores de origem ilícita".

Em nota, o Instituto Lula informou que há mais de um ano os procuradores da República no Distrito Federal tentam, sem nenhum resultado, apontar ilegalidades na conduta do ex-presidente, e que "uma investigação aberta a partir de ilações fantasiosas transformou-se em verdadeira devassa sobre a contabilidade do Instituto Lula, da empresa LILS Palestras e sobre as contas do ex-presidente".

De acordo com o instituto, os procuradores vasculharam as viagens internacionais de Lula, quem o acompanhou, os hotéis em que se hospedou, com quem ele conversou no exterior. O resultado, no entanto, "apenas comprova que Lula sempre atuou dentro da lei, em defesa do Brasil, como fazem ex-presidentes em todo o mundo". "Por isso mesmo, Lula não é parte da operação policial desta manhã, nem poderia ser", completou a nota.

A Odebrecht informou, por meio da assessoria, que não irá comentar sobre a operação.

*Colaborou Heloísa Cristaldo e Vinícius Lisboa

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos